Crises no mundo: uma pequena análise dos Estados Unidos.

0
376

Recentemente as discussões econômicas internacionais estão todas atreladas ao perigo de moratória de países desenvolvidos, principalmente alguns membros da União Européia (Grécia, Portugal, Irlanda, Espanha e Itália) e os Estados Unidos da América, que vivem um período de instabilidades econômicas, que geram na sociedade internacional grande especulação e incertezas, além de medos e riscos crescentes.

Este mundo está realmente muito mudado, muito transtornado e cheio de paradoxos, imagina uma situação onde os países ricos e poderosos, detentores do poder econômico e da força política, países que até muito recentemente eram conhecidos como os grandes fomentadores da economia internacional, criadores da riqueza e exemplo concreto de boa gestão, com responsabilidade social e práticas sustentáveis, estes países estão em crise, e pior, em situação terminal, ameaçando entrar em default, ou seja, o vulgarmente conhecido como calote.

Mas como países tão corretos e dignos, com histórico de riqueza e boas práticas de gestão, conseguiram chegar nesta situação tão negativa e inusitada, quais caminhos percorreram suas economias para atingir tão deplorável situação econômica e produtiva, e quais serão os impactos sobre a sociedade internacional, perante risco tão elevado de calote financeiro destes países? E o Brasil, como esta crise, ou posterior default vai impactar sobre a saúde e sustentabilidade macroeconômica do país, será que sentiremos uma crise internacional com impactos severos ou uma mera marolinha?

Todos nós estamos vivenciando um período de grandes mudanças geopolíticas, econômicas e estratégicas, o centro do poder mundial está sendo substituído e os resultados ainda são incertos e qualquer julgamento prematuro, o Atlântico está perdendo espaço para o Pacífico, a Ásia está em franca ascensão, alguns países desta região estão ganhando cada dia mais espaço no cenário externo, ameaçando antigas potências e desafiando práticas antigas e arraigadas, tudo isso é motivo de expectativas e instabilidades, mas também nos abrem novas possibilidades.

A economia dos Estados Unidos apresenta algumas graves deficiências estruturais, o poder acumulado nos últimos 100 anos apresenta sinais claros de enfraquecimento, o dinamismo interno, a capacidade empreendedora e o sonho americano que sempre seduziram os outros povos estão em franca decadência. Agora, será que esta decadência é inexorável ou pode ser revertida como aconteceu nos anos 80? Isto só o tempo pode responder.

O desemprego atual nos Estados Unidos atingiu 9%, historicamente um número assustador, comparável apenas á crise dos anos 30 e aos ajustes econômicos dos 80, ainda mais para uma sociedade empreendedora, dinâmica e flexível, este desemprego mostra claramente algumas das grandes dificuldades do país, dentre elas destacamos a dívida pública crescente, os desajustes no sistema financeiro e a perda de competitividade da economia.

Nos últimos quarenta anos o trabalhador norte-americano vem perdendo espaço na economia internacional, a renda média deste trabalhador está diminuindo devido á competição dos trabalhadores de outros países, principalmente os emergentes asiáticos e recentemente, os latino americanos e do leste europeu, tudo isto gera um empobrecimento da população e, principalmente, uma fragilização da classe média norte-americana.

A ascensão da China na economia internacional ocorrida nos anos 70 foi um subproduto da estratégia das empresas e do governo norte-americano para continuar comandando as estratégias mundiais, neste período, o todo poderoso Henry Kissinger, Secretário de Estado dos EUA, costura uma aproximação com a China, depois que os asiáticos se afastam de forma definitiva da União Soviética, por esta estratégia de aproximação as empresas do Tio Sam se instalariam no país asiático, se beneficiando do grande contingente de trabalhadores e do imenso mercado consumidor, levando suas grandes empresas, suas técnicas produtivas e seus modelos de gestão, transformando de forma estrutural o ambiente de negócios chinês.

Esta estratégia foi tão exitosa, que hoje a China é a economia que mais cresce no mundo, este crescimento gera e consolida uma interdependência entre os dois países, fazendo com que um se torne atrelado ao outro, embora encontremos grandes reclamações de empresários norte-americanos com o protecionismo chinês, principalmente com relação ao câmbio, percebemos que esta reclamação não passa de um grande jogo de cena dos produtores norte-americanos, que tem em mãos instrumentos para punir os chineses, ou para coibir o suposto abuso, mas evitam fazer porque sabem que indiretamente ganham e muito com este modelo de desenvolvimento adotado pelo país asiático.

O ataque terrorista de 11 de setembro e as guerras patrocinadas pelo governo Bush intensificaram os gastos bélicos e criaram uma grande armadilha para o país, com gastos militares descontrolados que pressionam a política fiscal e aumentam a dívida pública, obrigando o governo a aumentar a captação de recursos nos mercados financeiros, aumentando, com isso, a dívida pública que em agosto próximo baterá no teto de US$ 14 trilhões, exigindo do Congresso Nacional a autorização para que o governo possa aumentar o limite de endividamento, sob pena de calote ou default, o que afetaria toda a economia internacional, com impactos diretos sobre o Brasil, isto porque somos, na atualidade, um dos maiores credores dos Estados Unidos, com créditos de mais de US$ 220 bilhões.

A crise de 2008, detonada pelo setor imobiliário dos Estados Unidos e que se espalhou para todo o setor financeiro e produtivo, tanto nacional como internacional, obrigando o governo a aprovar gastos emergenciais da ordem de US$ 1,5 trilhão, resgatando bancos, instituições financeiras e grandes empresas, tal como no setor automobilístico, ainda permanecem esperando uma solução definitiva por parte da sociedade, o governo Obama, que inicialmente se apresentou como algo novo e moderno e inovador, se mostrou frágil para as grandes transformações exigidas pela sociedade norte-americana, que exige mudanças estruturais, minando seu grande capital político e condenando o país a uma discussão política medíocre e preconceituosa, abrindo com isso, espaço para o surgimento de movimentos políticos conservadores, onde destacamos o Tea Party, que pode ser descrito como uma facção direitista e conservadora, ou melhor, ultraconservadora, dentro do partido Republicano, que se movimenta e ganha força e legitimidade com ideias e pensamentos de perfil fortemente conservador, é importante destacar que este movimento tem legitimidade dentro da sociedade norte-americana.

O mundo na atualidade se encontra, do ponto de vista econômico, apreensivo com duas situações perigosas e preocupantes, cujos impactos sobre todo setor produtivo e financeiro mundiais pode ser desastroso, um calote norte-americano pode ter consequências imprevisíveis, algo inusitado e de difícil mensuração, que poderia afetar todos os países e regiões, gerando retração econômica e desequilíbrios nos países, isto porque, mesmo apresentando sinais de esgotamento, a economia dos Estados Unidos é ainda a mais importante economia do mundo.

A crise deve levar os Estados Unidos a adotarem uma política fiscal mais conservadora, uma redução dos gastos públicos é uma medida que o governo discute abertamente como uma forma de reduzir o endividamento público, agora nesta discussão encontramos grande dificuldade para encontrarmos um consenso político em que tipo de gasto o governo vai reduzir, os Republicanos apostam nos gastos sociais, principalmente, saúde e previdência; enquanto os Democratas preferem redução de gastos militares e aumento de impostos dos setores mais ricos da sociedade, este impasse pode gerar graves problemas de governabilidade para o presidente Obama e, principalmente, aumentar a agonia dos setores produtivos norte-americanos.

A sociedade norte-americana está na berlinda internacional, o calote representará para todos um grande constrangimento, as agências de classificação de risco preparam o rebaixamento dos títulos dos Estados Unidos, que sempre se destacaram pela solidez e credibilidade, um rebaixamento seria um grande golpe ao capitalismo norte-americano, com graves impactos sobre a sociedade internacional, obrigando os americanos a se comportarem reduzindo gastos e equilibrando o orçamento, para muitos traria aos cidadãos norte-americano um choque de realidade, fazendo-os lembrar que não são mais os donos do mundo, agora, é importante se destacar, que quando estes cidadãos, movidos a consumo, se contraírem o mundo todo vai sentir, as economias todas receberão impactos variados, e principalmente aquelas que são dependentes do mercado norte-americano, destacamos imediatamente dentre muitos o México e a Alemanha, sendo esta última a grande mola propulsora da União Européia, que neste caso poderia se inviabilizar em definitivo.

O Brasil também sentiria a crise como todos os países, mas sua dependência com relação à economia norte-americana, que até os anos 80 e 90 foi muito grande, no século XXI diminuiu, novos mercados foram abertos e perspectivas interessantes surgiram e se avolumaram, abrindo novas oportunidades para o mercado nacional, mas mesmo assim, não podemos nos enganar, crises nos Estados Unidos são sempre emblemáticas e geram dificuldades e constrangimentos para todos os agentes econômicos, mas agora estamos mais preparados, nos encontramos em um momento econômico bastante interessante, as crises externas nos afetam, como a todos os outros, mas não mais nos levam ao nocaute como nos levou anteriormente.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome