Democracia e Violência na sociedade brasileira

0
569

Vivemos em uma sociedade caracterizada pela violência e pela desesperança, onde o ser humano perde oportunidades constantes de melhorias e se entrega com facilidades às drogas e aos apelos da informalidade, aumentando os medos, as ansiedades e as transgressões, além do tráfico e da violência urbana. Ao mesmo tempo podemos, com certeza, afirmar que vivemos em uma sociedade de oportunidades e desafios constantes, onde a riqueza cresce e as condições de vida da população melhoram constantemente, só a China nos últimos 20 anos tirou mais de 300 milhões de pessoas da pobreza e da exclusão social, gerando impactos no mundo inteiro e inserindo novos indivíduos no mercado de consumo.

O parágrafo acima parece contraditório, afinal vivemos em um mundo marcado pela desesperança ou pelas novas oportunidades? Vivemos, literalmente, em um mundo complexo e contraditório, onde encontramos todos estes submundos convivendo juntos e integrados, onde o indivíduo observa um mercado cada dia mais exigente criador de novas oportunidades e desejos, onde a riqueza aumenta rapidamente gerando novos desafios e melhorando as condições de vida de milhões de pessoas, mas de outro lado, encontramos um mercado cada dia mais globalizado, onde o desemprego aumenta em várias regiões e quando não, as condições de trabalho são cada vez mais negativas, exigindo dos trabalhadores cargas excessivas e salários reduzidos, aumentando espaços de depressão, ansiedade, obesidade e transtornos dos mais variados tipos, obrigando os psicólogos a serem criativos para batizar os novos transtornos que surgem constantemente.

O mundo corporativo é um espaço constante de concorrência e de competição, onde as empresas buscam aumentar a sua margem de lucro, buscando novos mercados consumidores, transformando os trabalhadores em consumidores apenas, deixando de lado os cidadãos conscientes e responsáveis, o resultado disso tudo é um mundo marcado por graves desajustes ambientais e relatórios catastróficos de organizações não governamentais, muitas delas preocupadas com o meio ambiente, o clima e um possível e assustador futuro da humanidade.

Vivemos uma onda crescente de violência no mundo, regiões que sempre viveram conflitos militares, como judeus e palestinos, permanecem em guerra, nestes países pessoas morrem todos os dias, tornando a morte um ato banalizado, agora, em outros locais onde a violência era pouco conhecida, países e regiões considerados civilizados são descritos agora como espaço de barbárie social, o conflito não é uma guerra declarada, não existe um inimigo externo com exércitos marchando em combates sangrentos com vítimas mortas e ensangüentadas nas ruas e nas vielas, a conflagração é mais sutil, cidadãos do mesmo país duelam por serviços públicos antes abundantes, serviços estes que hoje são limitados pelos governos como forma de manter o equilíbrio financeiro e gerar superávits crescentes para evitar crises financeiras como a que o mundo conheceu recentemente, crise esta que só foi debelada quando o Estado, usando de suas prerrogativas econômicas, interferiu no sistema econômico salvando empresas falidas e socializando os custos para evitar problemas maiores, criando, com isso, uma nova categoria de empresas, grandes conglomerados empresariais que nunca quebram, empresas que mesmo sendo mal administradas não quebram porque são grandes demais para quebrar, pois se quebrassem o sistema econômico entraria em crise terminal e os custos seriam muitos maiores, com aumento no desemprego, miséria e exclusão social, mas transformando a sociedade em reféns destas empresas e de gestores nem sempre capacitados técnica e moralmente.

A violência tem várias facetas no mundo contemporâneo, o capitalismo como destacou o sociólogo alemão Karl Marx, cria seu próprio coveiro, é o melhor sistema para a produção de bens, mercadorias e serviços, mas tem em seu DNA uma característica assustadora, concentra renda na mão de poucos, é um sistema onde uma pequena parcela acumula recursos enquanto uma grande quantidade vive em situações indignas, nesta sociedade que quando foi criada e estruturada ideologicamente defendeu a idéia de que o indivíduo, pela primeira vez teria a oportunidade de ascensão social, onde o filho do pobre poderia, via esforços, galgar novos espaços na sociedade e se transformar em um grande empresário ou empreendedor, um homem das letras ou das idéias, um homem respeitado com uma vida digna e um nome de respeito, este sonho acompanha as pessoas até os dias atuais, agora, sua efetivação se mostra cada vez mais distante.

A democracia defendida pelos intelectuais como a panacéia do mundo, medida de inserção social onde todos os indivíduos teriam a oportunidade de escolher seus representantes e contribuir para as decisões da sociedade, agregando idéias e compartilhando ideais se mostrou insuficiente, o que vemos no Brasil do século XXI é uma batalha constante pela sobrevivência, onde o Estado mediador dos conflitos se recusa a intervir em problemas sociais antigos e prefere adotar como medida de mediação social programas de transferência de renda, onde a população mais carente passa a receber recursos ínfimos para a sua sobrevivência, criando com isso um grande curral eleitoral, como o que estamos assistindo na atualidade, mas é importante destacar que esta política não começou com o governo atual, é uma medida recorrente, o anterior também a adotou, embora tenha obtido resultados muito mais modestos.

Como podemos falar em democracia quando encontramos na sociedade os mais variados escândalos e corrupção, onde muitos cargos públicos são direcionados pela classe política para seus asseclas, carreiras importantes e órgãos públicos fundamentais para a gestão pública são loteados como forma de conseguir apoio político, onde o sistema político-eleitoral foi constituído para truncar o desenvolvimento e evitar um Estado Republicano verdadeiro, onde os cargos públicos são preenchidos por concursos lisos e os aprovados trazem consigo uma grande expectativa de fazer o melhor para auxiliar na construção de um país sólido, capacitado e preparado para os desafios do século XXI, mas infelizmente tudo isso me parece um grande sonho, talvez um sonho impossível na atual situação que encontramos a humanidade, mas um dia este sonho se concretizará.

Como podemos acreditar no discurso de que vivemos em um país democrático, quando encontramos quase 30 milhões de pessoas vivendo em situação de risco e indignidade, muitas delas tendo de cometer atrocidades para sua sobrevivência, é nesta sociedade que encontramos um amplo espaço para a expansão das drogas e da prostituição, negócios estes que movimentam bilhões de dólares no mundo e empregam milhões de pessoas, financiam riquezas e fortunas que nascem da noite para o dia com a tragédia de inúmeras famílias, levando à destruição de vidas, sonhos e condenando muitas inteligências a idiotia e a ignorância. Este arremedo de democracia deve ser repensado, democracia não é apenas votar de dois em dois anos, poder falar e opinar sobre os problemas da sociedade, democracia não é só imprensa livre, democracia é muito mais do que isso, democracia é um sistema em constante evolução, não existe uma fórmula de democracia, existem caminhos para a construção democrática, e, com certeza, estamos trilhando um caminho errado e para mudarmos a rota devemos entender que cabe a cada um de nós compreendermos melhor as regras do jogo, não devemos mais esperar um salvador da pátria, um líder iluminado dotado de conhecimento teórico, experiência e sensibilidade social, este líder não existe, na verdade todos os caminhos passam pela educação, esta é a raiz de tudo, mas seus resultados são demorados, levam décadas e precisam de continuidade e avaliação, é esta educação que deve ser construída para formar mais do que consumidores com emprego e renda e que participam do ciclo econômico, movimentando o sistema produtivo, precisamos de uma educação de valores morais para a criação de cidadãos conscientes de seus direitos e deveres, esta tarefa é muito complexa e as famílias não podem de forma alguma se esquivar de sua responsabilidade, afinal a família é a primeira célula da sociedade e cabe a ela um papel central na formação do indivíduo, educar pelo exemplo com amor e dignidade, é um imenso trabalho mais os frutos deste serão recompensadores para o Brasil e para a sociedade mundial, transformando-nos num exemplo a ser seguido por todos.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome