Descontentamento e insatisfação social na sociedade global

0
339

Depois da crise financeira que afetou a economia internacional em 2008, a sociedade vem passando por aumento das instabilidades, dos medos e dos descontentamentos, levando população as ruas, movimentos separatistas, conflitos étnicos e divergências políticas crescentes, criando instabilidades e incertezas generalizadas em todos os rincões do globo.

Nestes movimentos encontramos reivindicações generalizadas, desde movimentos reivindicando mais espaço de participação democrática, passando por movimentos defendendo políticas públicas mais específicas para o combate a pobreza e a desigualdade, movimentos reivindicando o impeachment de governantes até movimentos com bandeiras mais conservadoras, em defesa da família e dos bons costumes, o mundo se encontra em um momento de grandes reflexões, todos reivindicam um novo modelo de sociedade, mais oportunidades, mais democracia e uma melhor perspectiva para um futuro próximo, onde a tecnologia e os progressos científicos e tecnológicos sejam empregados para melhorar as condições de todos os indivíduos e não se restrinja a um grupo social ou a um conjunto de afortunados e bem nascidos.

Nestas movimentações que se espalham por todas as regiões do mundo, encontramos de tudo, desde movimentos mais pacíficos e tolerantes até grupos mais agressivos e violentos, que acreditam que apenas com o uso da força vão conseguir demonstrar para a sociedade seus anseios e suas mais íntimas angústias. São movimentos que denotam uma angústia global da sociedade, atingindo desde países ricos e desenvolvidos, como países pobres e também países que se encontram em ascensão econômica, sendo descrito por muitos, como uma economia com potencial elevado de desenvolvimento.

Para que compreendamos estes movimentos precisamos deixar claro, que a ciência econômica se encontra em um momento de grande inquietação, não conseguindo dar as respostas demandadas pela sociedade, sendo vista mais como um instrumento de dominação e de legitimação dos interesses dos donos do capital, que dominam ainda a ciência, a tecnologia, as finanças e os grandes conglomerados, do que como um instrumento político de organização e de combate ao subdesenvolvimento econômico e da escassez, como era de seu interesse em seus mais íntimos primórdios de existência. Neste novo momento, a economia está se negando a visualizar as evidências em curso na sociedade, os movimentos da economia monetária e financeira se sobrepondo a produção e o desenvolvimento se colocando cada vez mais distante da sociedade, onde apenas poucos estão usufruindo das benesses do desenvolvimento econômico.

Nesta discrepância que vivemos de riqueza, de prosperidade e de oportunidade na sociedade global, as pessoas estão cada vez mais desgostosas com a situação que vivem, indivíduos trabalhando em condições degradantes, sendo que muitos indivíduos estão sem nenhum trabalho, o crescimento de uma tecnologia que reduz as oportunidades de emprego para uma parcela considerável da sociedade, o enfraquecimento dos sindicatos, dos partidos e dos movimentos dos trabalhadores, embora muitos acreditem que estes eram muito corporativistas, dificilmente encontramos sindicatos, sejam patronais ou de trabalhadores, que não possuem perfis corporativistas, vivemos num momento de  grandes perdas para as classes trabalhadores e neste momento o lema deve ser, união e resistência, pois o drama pode aumentar de forma exponencial.

Só para que tenhamos uma mínima ideia do descalabro que vivemos na contemporaneidade, 82% de toda a riqueza criada no ano de 2018 ficou concentrada nas mãos de apenas 1% da população mundial, ou seja, apenas 70 milhões de pessoas embolsaram mais de 80% da riqueza global, enquanto as outras 99% ou 6,93 bilhões de pessoas do mundo, dividiram apenas 18% da riqueza gerada pela economia internacional, estes números ajudam a compreender alguns dos motivos das reivindicações dos indivíduos nos mais variados países do mundo.

Nestes movimentos, muitos se tornam guerras e conflitos abertos, como estamos vendo no Chile, um país que poucos imaginavam que seria acometido com reivindicações assim, afinal, desde o governo autoritário de Augusto Pinochet, as condições econômicas estão melhorando de forma acelerada, como defendem os apoiadores do general, que para implementar estas medidas liberais, milhares de pessoas foram mortas ou desapareceram e nunca mais foram encontradas. Na atualidade, percebemos que a situação real dos chilenos não é tão agradável como o discurso oficial quer demonstrar, os ventos do liberalismo econômico implementado pelos Chicago Boys não foram tão auspiciosos, mesmo com inflação sob controle e indicadores macroeconômicos positivos, a população se encontra em situação de desalento e de desesperança, os serviços públicos foram privatizados, as universidades foram todas repassadas a iniciativa privada e todos que possuem condições podem acessar estes serviços, desde que possuam recursos para pagar ou condições para angariar créditos financeiros para usufruir destes benefícios, o que percebemos é que os descontentamentos cresceram, os endividados aumentaram e a insatisfação cresce de forma acelerada, tudo isso culminou na situação degradante que estamos vivenciando.

Encontramos movimentos em países desenvolvidos, a França depois de ser acossada pelo movimento dos coletes amarelos, o país se encontra em um momento de grandes reivindicações contra a proposta de reforma da Previdência defendida pelo presidente Emmanuel Macron. Nestes movimentos, encontramos milhares de cidadãos franceses indo para as ruas e rechaçando a reforma proposta pelo governo, percebemos ainda, que todas estas medidas que estão sendo apresentadas pelo governo francês, estiveram presentes na pauta de inúmeros países, em decorrência do envelhecimento da população e das transformações no emprego e nos modelos de trabalho da contemporaneidade, embora estas justificativas sejam corretas, elas não nos mostra os grandes ganhadores destas reformas, o sistema financeiro e as finanças internacionais, todos os grupos dotados dos grandes recursos globais, que controlam os grandes conglomerados e mantem grande influência sobre os governos, controlando indicações em setores estratégicos, desde os altos cargos da equipe econômica, até os responsáveis pela política monetária, todos oriundos dos grandes bancos nacionais e estrangeiros.

Os conflitos em curso em Hong Kong também estão chamando a atenção da comunidade internacional, são manifestações que confrontam diretamente o governo chinês e reivindicam maior abertura política, maior transparência e uma maior autonomia com relação ao poderio autoritário da China. Embora seja um movimento forte e consistente, destoa dos movimentos citados anteriormente, tanto no Chile quanto na França, pois estão sendo motivados por direitos imateriais, ao contrário dos movimentos dos outros países, que podem ser descritos como um medo maior do rumo que sua respectiva sociedade está tomando, os chilenos estão denunciando ao mundo uma condição de degradação, onde uma parcela menor está usufruindo dos benesses deste capitalismo globalizado, enquanto uma parcela considerável da população vive em condições de degradação e sem perspectivas de melhoras no médio prazo. No caso da França, percebemos um movimento de resistência da população, que anteriormente vivia sob o manto de um Estado de Bem-Estar social que incluía e garantia uma condição econômica e social de destaque, mas agora percebe que todas as conquistas estão sendo deixadas de lado e as perspectivas são sombrias e perturbadoras.

Neste ambiente de inquietação na sociedade internacional, os cidadãos estão percebendo que os políticos não representam os anseios e os desejos da comunidade, que a política está carcomida com corrupção, desmandos e interesses privados e que os interesses da população estão cada vez mais distantes dos interesses dos donos do poder e, principalmente, dos donos do capital. Estes últimos dominam as questões financeiras, controlam os grandes conglomerados econômicos e produtivos e influenciam as escolhas da coletividade, são eles que dominam a ciência e a tecnologia e estão prestes a controlar as grandes empresas estatais, defendendo as privatizações de forma radical e unilateral, mostrando suas vantagens e escondendo seus malefícios, o exemplo chileno pode servir como um instrumento de reflexão, a retirada do Estado de países pobres com população tão dependentes e carentes dos serviços públicos pode ser um erro fatal, cujos constrangimentos não tardam a se materializar.

A sociedade começa a perceber a insustentabilidade deste sistema altamente tóxico, onde de um lado degradamos o meio ambiente, aumentamos as queimadas e ameaçamos terras demarcadas, de outro estimulamos o trabalho precário e degradante, com cargas excessivas e com jornadas que não mais poupam os domingos e feriados, tudo isso para produzir e aumentar os lucros dos grupos que mais ganham. Neste ambiente percebemos uma degradação dos laços sociais e uma forte fragilização das famílias, onde a carga de trabalho é tão excessiva que os filhos não mais se encontram com seus pais, onde os casais não mais tem tempo para ficar juntos, conversar e planejar suas existências, neste ambiente entregamos os rebentos para a escolha educar e transmitir conhecimentos, exigências excessivas para uma escola mal preparada, mas instrumentalizada e com recursos humanos ultrapassados, o resultado desta equação estamos vendo todos os dias na comunidade, professores ausentes das aulas por depressão, escolas violentas e degradadas, polícias agressivas e defasadas e uma comunidade amedrontada e indivíduos imaturos e despreparados para os embates da vida, tudo isso se materializa em ansiedades, depressões generalizadas e, nos extremos do mundo contemporâneo, em um crescimento acelerado e vertiginoso do suicídio, principalmente entre indivíduos entre 15 e 29 anos, que cansaram de sonhar, perderam as esperanças e encontram nas drogas a fuga de um mundo que não lhes garante oportunidades.

O mundo contemporâneo ressente de valores mais concretos, nos últimos anos estamos percebendo que os valores da sociedade estão dominados pelo poder do dinheiro e do capital, estes pensam a sociedade através da busca constante pelos rendimentos, pelos ganhos materiais e pelos prazeres do imediatismo, com isso, percebemos que o novo Deus da sociedade capitalista é o Dinheiro, por ele, pessoas rendem as maiores homenagens, concedendo-lhes os prêmios mais robustos e transformando-o em um grande mantra, nos valores do mundo contemporâneo, os valores baseados na ética e na moral coletiva são substituídos por valores dos indivíduos, vivemos e cultivamos o individualismo e depois reclamamos da competição excessiva e da solidão, vivemos em uma sociedade líquida, como nos mostrou o grande sociólogo polonês Zygmunt Baumman, com Amores Líquidos e Medos Líquidos, retratando a alma e as dores dos indivíduos na contemporaneidade. Estamos regredindo a passos largos, estamos perdendo como civilização e como seres humanos, deixando valores passageiros dominarem o comportamento social e nossa coesão como indivíduos, nossos sentimentos e emoções. Estamos nos deixando levar pelo imediatismo do consumo e os gozos dos prazeres insaciáveis do sexo e do dinheiro, para que tenhamos uma visão menos pessimista e introduzir um pouco de esperança em um mundo tão marcado pela desesperança, recorramos a história, esta nos mostra que, depois da tormenta, da tempestade e da degradação, o ser humano sempre busca a bonança, acreditemos nisso, sempre!

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome