É irônico as pessoas brancas serem tão sensíveis a falar de raça, diz DiAngelo.

0
43

Robin DiAngelo, autora de livro há 111 semanas na lista dos mais vendidos nos EUA, fala de branquitude, privilégio e negação do racismo sistêmico

Fernanda Mena – Folha de São Paulo, 25/10/2020

O mito da democracia racial é uma ideologia daltônica que funciona para proteger a hierarquia de raça da sociedade brasileira ao simplesmente negar que ela exista.

É assim que a norte-americana Robin DiAngelo, consultora em questões de justiça social e racial e autora de “Não Basta não ser racista: Sejamos Antirracistas” (Faro Editorial), avalia um aspecto central na história das relações raciais no Brasil.

Professora de educação da Universidade de Washington, em Seattle (EUA), Robin cunhou o termo “fragilidade branca”, título original deste best-seller que está há nada menos de 111 semanas na lista de mais vendidos do jornal The New York Times.

A expressão designa a dificuldade de pessoas brancas de conversar sobre racismo e reconhecerem a si próprias como beneficiárias, ainda que involuntariamente, de um sistema que as valoriza em depreciação de outros grupos étnico-raciais.

“A identidade branca tem sido usada para desprezar a análise racial, rotulando tudo como ‘politicamente correto’, e interditando o debate ao acusá-lo de identitário, alegando que é preciso falar de todos, de maneira inclusiva”, explica ela.

“É como dizer Black Lives Matter [vidas negras importam] e alguém retrucar que todas as vidas importam [all lives matter]. É claro que todas as vidas importam, mas, num mundo em que isso não ocorre na prática, precisamos nomear quais vidas, afinal, parecem não importar.”

Robin participa, nesta segunda-feira (26), da abertura do encontro Branquitude: racismo e antirracismo, organizado pelo Instituto Ibirapitanga com a co-curadoria de Lia Vainer Schucman.

Ao longo de três dias e cinco debates transmitidos ao vivo pelo canal do Ibirapitanga no YouTube, o encontro pretende refletir sobre as relações raciais no Brasil e os caminhos para a desconstrução do racismo estrutural.

“A grande ironia é justamente as pessoas brancas serem supersensíveis quando o assunto é raça”, brinca Robin.

Do que falamos quando falamos de privilégio branco?

Privilégio branco é a vantagem automática que as pessoas brancas têm por viverem numa sociedade em que elas são valorizadas e, na maior parte dos casos, controlam e dominam. É como nadar numa correnteza. Há pessoas que estão batendo braços e pernas, mas a correnteza favorece seu deslocamento mesmo sem que elas percebam. E há outras pessoas também batendo braços e pernas, mas a correnteza faz resistência constante a seu movimento.

Só que quando é apontado que as pessoas brancas têm uma vantagem automática imerecida, elas ficam bastante defensivas. Interpretam que essa vantagem é uma acusação de que elas não trabalharam duro o suficiente para estarem onde estão. E eu preciso ser clara: sim, nós trabalhamos duro. Mas o sistema nos recompensa por esse trabalho de maneira diferente. E nós não estamos trabalhando duro contra uma resistência racial. Outro jeito de olhar para o privilégio branco é observar o voto das mulheres.

Como assim?

E eu me refiro ao sufrágio como o momento em que homens nos concederam direitos civis, como apenas eles poderiam fazer. Antes disso, mulheres poderiam ser preconceituosas em relação a homens ou discriminar homens individualmente, mas não podiam, coletivamente, negar para todo e qualquer homem seus direitos civis.

Os homens podiam. Por que? Porque os preconceitos deles eram sustentados por autoridade legal e controle institucional. E essa é a chave para diferenciar o viés racial, que todos temos, de racismo. Racismo é quando preconceito e discriminação são sustentados por poder.

Por que é tão difícil reconhecer privilégios?

Por causa de algumas ideologias. Uma é a meritocracia: somos ensinados que temos o que temos porque trabalhamos pra isso e merecemos.

Ninguém nega que pessoas negras estejam em pior situação a partir de qualquer dado que se observe. E só existem dois jeitos de explicar essa situação. Ou as pessoas negras são inferiores e somos, os brancos, superiores. Ou existe racismo estrutural!

E, se você negar a existência do racismo estrutural, é porque está usando uma chave explicativa racista.

A outra ideologia que incide nessa dificuldade de reconhecer privilégios é o individualismo. Ainda que exista um crescente movimento nacionalista branco, a maior parte das pessoas brancas, no nível consciente, acredita em justiça racial e não quer, intencionalmente, que pessoas negras sofram.

Se a maioria acredita em justiça racial, como existe racismo?

Eu, que sou branca, não nasci conhecendo o racismo, mas eu aprendi o que é racismo e supremacia branca.

Ainda antes de eu nascer, as forças do racismo e da supremacia branca operavam a minha vida: por serem brancos, meus pais podiam viver em qualquer lugar que pudessem pagar e eles dificilmente seriam discriminados em serviços de saúde. Mas quem entrou no quarto da maternidade na noite em que eu nasci para limpar o chão e recolher o lixo foi muito provavelmente uma pessoa negra.

Ou seja, eu nasci e fui criada num ambiente racialmente hierarquizado que me influenciou. Pesquisas mostram que crianças de 3 ou 4 anos entendem que é melhor ser branco. É um processo que se consolida muito cedo.

Como explicar o privilégio branco em relação a pessoas brancas desprivilegiadas?

Pessoas brancas sem dúvida sofrem outras formas de opressão e também enfrentam barreiras, mas o racismo não é uma delas, o que as ajuda. Você pode pensar em qualquer grupo minoritário, como mulheres e pessoas LGBTI, e, dentro deles, as pessoas negras também vão estar nas piores posições.

Eu sei que o classismo é algo poderoso no Brasil e sei que racismo e classismo têm grande intersecção, o que faz com que classe e raça pareçam ser quase a mesma coisa. Mas não é.

Eu cresci em situação de pobreza urbana dos EUA. Minha família ficou sem casa e morávamos no nosso carro. Eu tinha uma sensação muito profunda de vergonha de classe. Mas eu não sou menos racista ou tenho menor privilégio racial porque experimentei o classismo.

Você poderia dar um exemplo dessa relação entre hierarquia social e hierarquia racial?

Vivemos em situação de rua, pasamos fome… E, ao mesmo tempo, eu fui ensinada a não tocar em nada que uma pessoa “colored” [termo pejorativo usado para se referir a uma pessoa negra] havia tocado. Mesmo quando fosse comida e estivéssemos com fome.

A mensagem era clara: estará sujo se uma pessoa negra tiver encostado. Mas a verdade era que, por causa da situação de rua, nós é que éramos sujos. Só que, nesses momentos, eu não sentia tanta vergonha da minha pobreza porque eu me realinhava com a cultura branca de classe média dominante contra um outro racializado.

Qual é, então, a fragilidade branca?

A fragilidade se refere à hipersensibilidade da branquitude quando confrontada com questões de raça, que as faz reagir ficando chateadas, bravas ou defensivas. Mas o impacto dessa fragilidade não tem nada de frágil.

É bastante poderosa porque vem amparada na autoridade legal e no domínio institucional. Funciona como um policiamento racial. Tornamos tão punitivo para pessoas negras nos desafiarem e nomearem essas dinâmicas que, na maior parte das vezes, eles simplesmente decidem não falar.

É mais um jeito de silenciar pessoas negras. A grande ironia é justamente as pessoas brancas serem supersensíveis quando o assunto é raça.

Para quais mudanças o assassinato de George Floyd e os protestos que o seguiram apontam?

Conceitos como o de racismo sistêmico entraram no debate principal. E isso é fundamental. Porque enquanto continuarmos a achar que uma pessoa racista é alguém intencionalmente mau, que quer machucar os outros, não vamos sair deste lugar.

E não existe nada melhor para eximir as pessoas brancas do que permitir que elas se ofendam quando confrontadas com essa acusação, o que protege perfeitamente o sistema do racismo. Eu diria que todo racismo que eu perpetrei na minha vida, e foi bastante, não foi algo consciente e intencional, mas machucou as pessoas do mesmo jeito.

É preciso olhar como isso se manifesta na sua vida, no seu trabalho, nas suas relações. E isso é muito libertador!

E então você pode parar de achar que você está sendo acusado de ser mau. E se liberar para alinhar o que você diz acreditar, que é a justiça racial, com o jeito como você se posiciona e age no mundo. ‘`” por isso que o oposto do racismo não é sua ausência, mas o antirracismo.

ROBIN DIANGELO, 64

Consultora e educadora há mais de 20 anos em questões de justiça social e racial, e professora da Universidade de Washington, em Seattle (EUA). Seu livro, “Não basta não ser racista: sejamos antirracistas” (“White Fragility: Why It’s So Hard For White People To Talk About Racism”), está há 111 semanas na lista de mais vendidos do NYT.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome