Em tempos sombrios, é possível educar para a polidez?, por Claudia Costin.

0
19

Estamos ensinando as crianças a construir uma sociedade melhor do que a que lhes legamos?

Folha de São Paulo, 13/11/2020.

Volto ao tema da polidez, já que, em tempos de populismos, vem ocorrendo uma tendência de associar linguajar vulgar a autenticidade. É como se, para ser “um de nós”, o eleito deva ser grosseiro, explosivo, sem autocontrole e “falar verdades”.

As famílias e as escolas, quando educam crianças, levam muito tempo ensinando exatamente o inverso. As palavras têm sentido e podem ferir, daí a importância de utilizá-las com respeito à condição humana do outro, para selar uma convivência pacífica e construtiva. Além disso, ensinar autorregulação é uma das chaves de um processo pedagógico bem-sucedido.

Os alunos reproduzem aquilo que observam no comportamento dos adultos que lhes são próximos. Se pais ou autoridades não respeitam leis de trânsito, jogam lixo na rua e ofendem os que lhes são, por algum critério, desagradáveis, é isso que adotarão como conduta. E cuidado, o agredido poderá ser justamente aquele de quem emulou o comportamento.

Da mesma maneira, quando governantes divulgam teorias conspiratórias ou as mencionam em discursos chamados à agressão, como bem analisou Levitsky em seu “Como morrem as democracias”, autorizam exércitos de seguidores a fecharem os olhos para crimes governamentais e a, no limite, espancarem os inimigos citados em discursos.

Quem estudou história sabe que a origem do triste episódio da Noite dos Cristais em que judeus tiveram lojas vandalizadas e foram espancados e mortos por civis, foi exatamente um discurso autorizativo.
A implementação de boas políticas públicas, numa federação, demanda competência, capacidade de articulação e negociação, conhecimento técnico e sentido de propósito. Isso se torna ainda mais importante em crises, quando coragem, e não virilidade, torna-se componente adicional para lidar com os desafios vividos.

O historiador John Lukacs, ao se referir ao período entre guerras, em seu “O Duelo”, relata que a juventude inglesa, à época, admirava Hitler, associando-o a uma maior “virilidade” que a demonstrada pela democracia do Reino Unido. Vários queriam que o país se alinhasse à Alemanha no conflito iminente.

A virilidade inconsequente, percebida como qualidade, pode nos levar rapidamente para a direção errada.

E a assertiva de que teríamos “que evitar de ser um país de maricas” (sic), além de subentender que não devemos levar a pandemia a sério, traz uma ofensa implícita para com uma parcela da população brasileira que merece nosso respeito.

As crianças, na sala, observam. Afinal, estamos lhes ensinando a viver em sociedade e a construir uma sociedade melhor do que a que lhes legamos?

Claudia Costin

Diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais, da FGV, e ex-diretora de educação do Banco Mundial.

 

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome