Grécia, Irlanda, Portugal, Espanha e….

0
1323

O mundo financeiro está em um momento de grande ansiedade e expectativa, a crise de 2008 que gerou inúmeros transtornos na sociedade internacional, parece estar de volta, ou melhor, dá sinais de que nunca foi embora, assustando os países e mostrando as fragilidades de várias economias que antes se mostravam fortes e inabaláveis.
O centro da crise foi os Estados Unidos, depois de décadas de prosperidade e crescimento, a economia apresenta sinais claros de desequilíbrio e incerteza, o boom imobiliário dos anos 90 se mostrou insustentável em um país que não consegue gerar poupança interna e se sustenta em um consumismo excessivo e imediatista, que provoca uma sensação de prazer imediato e endividamento crescente, cujos custos virão com o tempo.
Os anos 80 mostraram para o mundo a ascensão chinesa, o surgimento de um país com um grande potencial, uma sede imensa de consumo e uma alta demanda reprimida, agora, para satisfazer estas necessidades eram necessárias atitudes pragmáticas, exportar é uma grande necessidade, aproveitar o potencial da mão de obra formada por 1,4 bilhão de pessoas e adotar políticas específicas para fomentar a economia fizeram a diferença para o país e para o mundo.
O crescimento chinês alterou a lógica da economia internacional, países desenvolvidos perderam muitas de suas empresas para a China, empresas transnacionais com faturamentos astronômicos perceberam que a única forma de competir neste ambiente globalizado era abrindo novas filiais no gigante asiático, ganhando escala e conseguindo competir, mas deixando em seus países de origem uma grande devastação social, desemprego, exclusão social e o incremento do xenofobismo, com conflitos e violências crescentes, este fato contribuiu para o enfraquecimento da classe média norte-americana, diminuindo sua renda e fragilizando-a financeiramente, deixando claro sérios desajustes estruturais que facilitaram a crise atual e a grande dificuldade de superação, mesmo depois da injeção de trilhões de dólares na economia.
O crash financeiro internacional foi uma crise dos países desenvolvidos que afetou todas as regiões do mundo, isto porque estas economias, de renda elevada, comercializam com todas as regiões do globo, compram, vendem e financiam investimentos e consumo que geram renda e crescimento econômico, fundamentais para melhorar as condições de todos os indivíduos.
Os Estados Unidos e a Europa foram os países mais afetados pela crise internacional, a economia norte-americana apesar das dificuldades de recuperação é ainda a maior do mundo, detém a principal moeda do comércio e finanças internacionais, e possui grande potencial em muitos setores, principalmente no setor de serviços, que cresce de forma evidente e altera estruturalmente a lógica econômica, agora a Europa apresenta graves desequilíbrios, a União Européia enfrenta o seu maior desafio, primeiro a Grécia, agora Irlanda e quem sabe, posteriormente, Portugal e Espanha. Se este último, pela sua dimensão e importância entrar em crise, pode causar graves desequilíbrios ao bloco, a ponto de provocar rupturas insuperáveis, podendo até levar à ruína um projeto de mais de cinqüenta anos, pioneiro e moderno, mas muito arriscado e ambicioso.
A Grécia foi a primeira vítima desta crise, endividada e exposta ao crescimento fácil, baseado em recursos especulativos, teve que recorrer aos endinheirados do bloco chefiados pela Alemanha, seu socorro custou mais de 120 bilhões de euros, recursos disponibilizados à custa de uma política de ajuste violenta, o arrocho passou a ser o termo utilizado na Grécia, salários foram reduzidos, impostos aumentados, os gastos públicos foram reduzidos, o desemprego aumentou, etc. Estas medidas proporcionaram quedas consideráveis na entrada de moedas fortes, gerando desvalorização cambial e melhoria nas contas nacionais, aumentando as exportações e, com o tempo melhorando a situação externa da economia, com incremento nas reservas internacionais e garantindo o pagamento dos empréstimos obtidos, mas a custa de uma grande degradação das condições sociais, tudo supervisionado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), pelo Banco Mundial (Bird), pelo Banco Central Europeu (BCE) e por outros organismos internacionais, reduzindo cada vez mais a pouca, quase inexistente, soberania grega.
O fantasma do ajuste grego paira sobre a economia irlandesa, depois de duas décadas de crescimento ininterrupto, onde a Irlanda sai de uma posição periférica e passa a ocupar um lugar de destaque na Europa, neste período de prosperidade o país para atrair empresas e investimentos produtivos reduziu enormemente os tributos, absorvendo empresas em várias áreas, aumentando a geração de emprego, consolidando uma nova classe média e estimulando consumo. O consumo era financiado via endividamento externo, e isto só era possível graças à alta liquidez internacional, tão logo esta se mostrou frágil o país apresentou sinais de insolvência, tendo grandes dificuldades para captar recursos no mercado internacional, obrigando as autoridades européias a um socorro estratégico, antes que afetassem os outros países do bloco, gerando uma crise generalizada.
A Alemanha é a grande economia européia, sua antiga moeda, o Marco, é a base monetária da União Européia (UE), o Euro surgiu lastreado no Marco, isto porque o país é considerado o mais austero em termos fiscais e financeiros da região, socorrer estes países que se esbaldaram no período de alta liquidez internacional evitou que a crise de disseminasse para outros países, mas o custo político foi muito grande, gerando insatisfação no país e desgaste perante a sociedade, levando muitos cidadãos alemães a se indagarem: como pode nosso país tão austero e responsável fiscal e financeiramente, com um histórico de cumprimento de seus deveres econômicos, ter que desembolsar recursos para socorrer países imprudentes, gastadores e desequilibrados? O mal-estar foi geral e a União Européia passa por dias de turbulência e descrédito, algo pouco visto na região símbolo do progresso e das conquistas do mundo civilizado, racional e moderno, berço das grandes conquistas da Era Industrial, da Ciência e das Artes.
Socorrer a Grécia, Irlanda e até Portugal pode ter um custo fiscal muito alto, podendo até comprometer o bloco europeu, agora o socorro aos espanhóis pode exigir muitos recursos, os desembolsos podem comprometer a situação fiscal do bloco, inviabilizando toda a União Européia e levando muitos países a abandonar o bloco e desvalorizar suas moedas como forma de reativar suas economias, e enterrando de vez um projeto ambicioso de integração que muitos vêem com incerteza, incredulidade e desconfiança.
Pela primeira vez na história do capitalismo os países hegemônicos, ricos e poderosos estão na berlinda negativamente, a crise impactou diretamente nestes países, colocando-os na defensiva e obrigando-os a solicitar ajuda externa para se reequilibrar, o apoio e o estímulo dos países emergentes é fundamental. Os BRICs, Brasil, China, Rússia, Índia, entre outros, ganharam importância na nova geografia mundial, exigindo de cada um destes países políticas integradas, planejamento e integração para assumirem, cada vez mais, o posto de país hegemônico, alguns como a China e a Índia já se mostraram capacitados para desenvolver políticas consistentes visando uma melhoria das condições sociais; agora, países como o Brasil necessitam de uma coordenação sólida e coerente para solucionar os velhos e os novos entraves ao desenvolvimento, sem isso vamos continuar nos colocando sempre como uma aposta, estamos sempre na lista dos países que prometem se tornar potência no futuro próximo, mas este futuro nunca chega, gerando indignação e revolta para todos os cidadãos do país.
A globalização da economia transformou enormemente a sociedade, aumentou o comércio e trouxe benefícios, inicialmente, aos países ricos e desenvolvidos em detrimento das economias mais frágeis e subdesenvolvidas. As crises econômicas recentes estão mostrando uma inversão nesta realidade, as economias em desenvolvimento ou emergentes, depois das crises dos anos 90, quando estas sofreram desequilíbrios externos, endividamento e crises nos balanços de pagamentos, ocasionando graves problemas sociais como desemprego, miséria e exclusão social, obrigando-as a recorrer a empréstimos externos de organismos internacionais e criando situações de instabilidades e constrangimentos, esta situação ficou para trás, agora o ambiente se inverteu, a crise afetou a grande maioria dos países, mas alguns estão mais fragilizados, estão mais expostos e sentem-na de forma mais agressiva. Estados Unidos e a Europa se mostraram muito fragilizados, a crise evidencia uma diminuição do poderia destes países no mundo e abre espaço para novos atores no mundo contemporâneo, vivemos uma sociedade em transição, estas mudanças são, normalmente, dolorosas para muitos países, mas abrem espaços para outros povos e línguas, que antes marginalizadas, ganham espaço e passam a influenciar os rumos da sociedade internacional, abrindo espaço para novas culturas e tradições, fazendo do mundo um mosaico integrado de experiências, culturas e transitoriedades.
As crises são situações freqüentes no sistema capitalista, nos últimos 100 anos o mundo conviveu com várias e seus impactos são sempre assustadores, concentram mais a renda e aumentam a desigualdade entre os indivíduos, é nesta perspectiva que devemos analisar a crise contemporânea, agora esta situação está transformando a realidade geopolítica mundial, alguns países estão alcançando grande relevância enquanto outros estão tendo seu poderio diminuído, estamos próximos de grandes mudanças na civilização, o mundo está se transformando, só não enxerga quem não quer.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome