Imigração virtual inaugura nova fase da globalização e vai beneficiar emergentes, diz especialista

0
157

Para Richard Baldwin, tecnologias vão impulsionar contratação de estrangeiros e ceifar empregos nos países ricos

Raquel Landim – Folha de São Paulo – 07/04/2019

Um dos principais especialistas do mundo em comércio, Richard Baldwin, professor do Instituto de Graduação de Estudos Internacionais e do Desenvolvimento, em Genebra, na Suíça, vai na contramão dos seus pares.

Ele não acredita que a globalização esteja retrocedendo, mas entrando em uma nova fase ainda mais polêmica: a imigração virtual.

Em linhas gerais, imigração virtual são profissionais que moram num país, mas trabalham em outro, por meio de novas tecnologias: Skype, Facetime, softwares de trabalho coletivo, sala de reuniões online, equipamentos de tradução instantânea e até telerrobôs.

“A diferença de preços dos serviços entre nações ricas e países emergentes chega a 10 a 20 vezes. Veremos muito profissionais de Brasil, Argentina, Quênia, Ucrânia, Índia trabalhando para empresas em Nova York e Londres.”

Autor de “Globotics Upheaval” (A revolução dos robôs globais), Baldwin diz que a nova onda representará enorme oportunidade para trabalhadores das nações emergentes, mas também vai gerar mais revolta nos países ricos, favorecendo movimentos populistas.

O senhor costuma dizer que o futuro da globalização será muito diferente do que ocorreu nos últimos anos. Por quê?

A globalização nada mais é do que uma arbitragem de preços. As empresas exploram as diferenças de preços para produzir ou comprar produtos onde são mais baratos e vender onde são mais caros.

Para lucrar, é preciso levar os produtos de um país ao outro. Por isso, até agora, entendemos a globalização como troca de produtos. Por exemplo: você planta café no Brasil e entrega de navio na Europa.

Vamos focar agora os serviços profissionais. Frequentemente, a diferença de preços de serviços profissionais entre as nações ricas e os países emergentes, como Brasil, Argentina, Quênia, Ucrânia ou Índia é de 10 a 20 vezes.

Até agora não era possível arbitrar esses preços, porque os serviços são vistos como não comercializáveis, pois exigem que as pessoas estejam frente a frente. Só que a tecnologia digital está tornando as pessoas mais próximas.

Como a diferença nos preços dos serviços é muito alta e a tecnologia avança muito rápido, a globalização vai ser transformada pelo que chamo de imigração virtual.

O que é imigração virtual? 
Comecemos por algo já bastante difundido: trabalhar uma ou duas vezes por semana de casa, sem ter de ir ao escritório. A imigração virtual é a mesma coisa, só que a nível internacional. Profissionais que moram num país e trabalham num escritório que fica em outro país.

Esse trabalho freelancer internacional já é relativamente comum em alguns setores, como desenvolvimento de software ou em grandes bancos. Nessas áreas, pessoas de um mesmo time estão situadas em países diferentes e se comunicam pela internet para fazer um projeto em conjunto.

Tenho um amigo na Suíça que desenvolve sites para empresas. Ele trabalha de casa ao lado de alguns computadores. Em uma das telas, está a imagem de um programador do Paquistão; na outra, um especialista em experiência dos usuários do Canadá; em outra tela, um designer uruguaio.

Eles trabalham juntos por alguns dias para fazer determinado site. Conversam o tempo todo e usam um software colaborativo. Mas, como o paquistanês está satisfeito em receber US$ 10 (R$ 39) por hora, o projeto fica muito mais barato do que se todos morassem na Suíça.

Já faz tempo que as empresas instalaram call centers na Índia ou que há colaboradores estrangeiros em empresas de software. Por que o sr. acredita que o fenômeno será mais generalizado e rápido agora?

Em meu livro, explico em detalhes quatro fenômenos que vão colaborar com o processo. O primeiro é a experiência das pessoas de trabalhar em casa. Nos EUA, isso é muito comum.

As empresas estão se adaptando com a adoção de novos softwares para tornar o trabalho de casa mais fácil. Essas mudanças abrem a porta para a imigração virtual, pois rapidamente as companhias vão perceber que dá para contratar um estrangeiro que vai cobrar muito menos.

O segundo ponto é a melhora das telecomunicações: a qualidade do Skype, do Facetime e de outras tecnologias mais sofisticadas. A possibilidade de reuniões virtuais.

Há outra tecnologia bem divertida chamada de telerrobôs. Conto no meu livro a história de uma jornalista de tecnologia que trabalha no escritório em San Francisco, mas mora em Boston. Ela dirige o robô pela Redação e fala com as pessoas como se estivesse lá.

E as barreiras linguísticas? Nem todos falam inglês. 

Este é o terceiro ponto: a tradução por máquinas vai quebrar essas barreiras. Nos últimos tempos, tivemos uma revolução nessa tecnologia.

A ONU deixou online milhões de sentenças traduzidas dos debates em seis idiomas nos últimos 40 anos. Isso facilitou a aprendizagem das máquinas, e o algoritmo agora não traduz palavra por palavra, mas frase por frase, o que melhorou muito o resultado.

Dê uma olhada nesse aplicativo. Vamos testar [Ele abre um app do Google que traduz rapidamente uma frase da repórter para o inglês e outra dele para o português. O resultado é muito bom].

Veja também essa tecnologia [Agora com outro app o professor direciona a câmera do celular para o bloco de anotações da repórter e o texto é traduzido automaticamente do português para o inglês].

Provavelmente, a tradução pela máquina nunca vai ser perfeita, mas, como sabemos, executivos americanos têm discussões com executivos estrangeiros que não falam inglês perfeitamente, todos os dias, e isso é suficiente. Não falar inglês não será uma barreira para prestar serviços no exterior.

E o quarto fator? 

O surgimento de sites que servirão como plataformas de contratação de profissionais. O maior hoje no mundo é o upwork.com, mas há muitos outros.

Esses sites vão tornar mais fácil para as empresas encontrar profissionais estrangeiros. Também vão propiciar o pagamento dos serviços e trazer alguma segurança para quem está contratando.

Gosto de pensar nessas plataformas como um contêiner, que, em vez de produtos, transporta serviços.

Em que profissões a imigração virtual será mais forte? 

É melhor não focar ocupações, mas tarefas. Todo trabalho é uma lista de tarefas. Algumas podem ser feitas por uma pessoa no exterior, outras não.

No caso de um jornalista, alguém pode remotamente marcar suas viagens, digitar suas anotações, ouvir suas gravações. Essa pessoa certamente não pode escrever seu artigo, mas tem condições de fazer todas essas outras coisas.

Um contador brasileiro não conhece a legislação americana. Contudo, tem muito trabalho em contabilidade que é basicamente analisar um monte de números para ver se batem. Pelo preço de um contador medíocre nos EUA, é possível contratar os melhores no Brasil.

Qual será a direção do fluxo de imigrantes virtuais? Das nações emergentes rumo aos países ricos? 

Principalmente. Quando pensamos nas nações emergentes avançadas, temos trabalho de qualidade a baixo custo, sejam médicos, enfermeiras, professores.

Globalização sempre representa oportunidades para os cidadãos e as empresas mais competitivas e desafios para os menos competitivos.

Como nos emergentes o custo do trabalho é menor, esses cidadãos serão mais competitivos. Mas existem pessoas nos países ricos que são competitivas globalmente. Alguns engenheiros americanos, por exemplo, vão exportar seus serviços para o Brasil.

A imigração virtual, portanto, vai funcionar em ambos os sentidos, mas a vantagem competitiva dominante será dos emergentes. Mais especificamente na classe média das nações de renda média.

Infelizmente não é para todos. Para se beneficiar desse fenômeno, o trabalhador precisa de computador e  internet e de qualificações que exigem alguma educação formal. Não vai atingir os países muito pobres nem todos no Brasil.

Essa mudança, portanto, significa enorme oportunidade de exportação para países como Brasil, África do Sul, Quênia. O milagre dos países emergentes vai se espalhar.

Só que o novo modelo de desenvolvimento vai ser mais parecido com a Índia do que com a China. Todos querem se parecer com a China e exportar carros e celulares, mas esse trem já passou. A Índia também se desenvolveu rápido e exporta poucos produtos.

A insatisfação com a globalização e a imigração facilitou a chegada ao poder de grupos de extrema direita. Qual vai ser o impacto dessa nova onda de globalização na política? 

Nos países ricos, vai ser muito disruptivo. Empregos profissionais —os chamados do colarinho branco— serão perdidos rapidamente. Essas pessoas vão se juntar às que perderam seus postos de trabalho na indústria. Será chocante e pode levar a revolta.

Isso dará ainda mais combustível à extrema direita?

Vai encorajar movimentos populistas, mas não necessariamente de extrema direita.

Há, porém, um atenuante. As pessoas que se sentiram deixadas para trás pela globalização e ajudaram a eleger Donald Trump ou a aprovar o brexit vivem em cidades pequenas, onde não há novos postos de trabalho.

Essa nova tendência vai atingir as cidades grandes. Portanto, será mais simples para esses trabalhadores se reinventarem e eventualmente conseguirem novas ocupações. Isso pode tornar o fenômeno menos doloroso.

Os governos deveriam fazer algo a respeito?

Sim. Nos países ricos, a melhor maneira de reagir é ajudar as pessoas a mudar de trabalho. Alguns políticos defendem que deveria existir uma renda mínima universal, mas não explicam como vão pagar por isso.

Nos países emergentes, como o Brasil, os governos podem auxiliar os trabalhadores a aproveitar essa oportunidade. Um exemplo é oferecer certificações para ajudar as empresas lá fora a saber direito quem você é e o que sabe fazer.

No Quênia e nas Filipinas, por exemplo, os governos estão treinando os profissionais mais jovens, porque acreditam que as novas tecnologias são uma solução para o desemprego entre os mais jovens.

As leis internacionais terão que mudar para se adaptar à nova realidade?

Já existe na OMC (Organização Mundial do Comércio) um acordo sobre o comércio de serviços. Também existem regras sobre comércio eletrônico, serviços bancários, etc. Não acredito que será um problema.

A área em que será mais complicado é a taxação. Onde esses trabalhadores vão pagar impostos? Hoje, em lugar nenhum. Os países terão que fazer algo a respeito.

Na reunião de Davos, conversei com o CEO da upwork.com sobre isso. Ele me disse que fornece informações ao governo dos Estados Unidos sobre seus freelancers americanos. Logo, a princípio, as pessoas teriam que declarar essa renda.

Mas também me contou que outros países nem sequer pedem os dados. A princípio, a melhor maneira seria trabalhar por meio das plataformas. Solicitar a elas que informem o quanto as freelancers estão ganhando. Nesse caso, os impostos seriam pagos onde as pessoas vivem e não onde trabalham.

O senhor acredita que o protecionismo poderá interromper essa tendência?

Não acredito. É verdade que algumas medidas, como regulação de privacidade ou restrição de dados, podem desacelerar o fenômeno. Mas, no final das contas, vai escapar pelas frestas.

Os governos têm boas maneiras de controlar o trânsito de produtos e pessoas em suas fronteiras, mas não conseguem fazer quase nada sobre serviços. A não ser que façam como na China e bloqueiem toda a internet.

No entanto, posso lhe dar um exemplo de uma área em que a restrição funciona. Na Suíça, existem leis muita rígidas para sigilo bancário. Se os dados de um cliente deixam o país de propósito, você vai para cadeia. Se acontece por acidente, a multa é de centenas de dólares.

Por causa disso, os bancos suíços não contratam nenhum tipo de serviço no exterior. Neste caso, é uma escolha. Os serviços bancários suíços são excelentes, mas muito caros.

Richard Baldwin Professor do Instituto de Graduação de Estudos Internacionais e do Desenvolvimento, em Genebra; economista formado pela Universidade de Wisconsin-Madison, fez pós-graduação no MIT sob a supervisão do ganhador do Prêmio Nobel Paul Krugman; é autor de “The Globotics Upheaval” (A revolta dos robôs globais)

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome