Mágoas, rancores e ressentimentos: as dores da alma

0
108

Vivemos em uma sociedade que atravessa um momento de grandes transformações estruturais e inquietações, com impactos generalizados sobre os indivíduos e causando constrangimentos íntimos e emocionais, as famílias estão em crise, as escolas estão em crise, o trabalho está em crise, o ser humano está em crise, a crise é generalizada e afeta todos os indivíduos e todas as regiões do mundo, gerando depressão, ansiedade, estresse, medos e muitos rancores e ressentimentos internos.

As crises são normais na sociedade, todos passamos por momentos de reflexão e questionamentos íntimos, elas servem como instrumentos de crescimento e de desenvolvimento espirituais, mas podem gerar sintomas de rancores e ressentimentos que devem ser combatidos para que estes não se transformem em sentimentos maiores e mais violentos, com impactos no ser humano que podem atravessar outras vidas e experiências pessoais.

A Doutrina Espírita nos mostra que estas crises estão antecipando momentos novos para a sociedade mundial, muitos desajustes e desequilíbrios estão sendo depurados, espíritos que durante muitos anos, décadas ou séculos estavam nas regiões mais abissais dos mundos inferiores estão sendo obrigados a reencarnar, mesmo relutando em retornar estão sendo obrigados a voltar ao mundo material, trazendo mágoas, rancores e ressentimentos em sua alma. Esta reencarnação compulsória é, na verdade, uma ultima chance para muitos irmãos que se acostumaram com sentimentos menores e trazem na alma uma forte predileção para a violência e para a destruição, neste momento estão tendo uma chance imperdível, se não aproveitarem esta oportunidade serão conduzidos a mundos mais atrasados que a Terra, onde suas energias estão mais integradas. A Terra precisa progredir, a mensagem já foi enviada e todos que estão impelindo seu crescimento serão retirados compulsoriamente e levado para outros mundos, mais atrasados moralmente e mais afeitos a seus valores éticos e morais.

Neste momento onde a tecnologia ganha espeço e relevância na sociedade, as pessoas estão se aproximam mais devido ao crescimento das redes sociais, dos aplicativos de mensagens, publicando fotos e imagens pessoais, se expõem buscando uma fama momentânea, sonhando com a possibilidade de se transformar em uma celebridade, ganhar dinheiro, poder e desfrutar de riquezas e de reconhecimento, acreditando que este caminho lhe trará a tão desejada felicidade e os cobiçados momentos de prazer e de alegria, como é retratado nas revistas de moda e de comportamento.

Vivemos em uma busca constante por riquezas e prazeres e nos iludimos depois que as conquistamos, muitas vezes esta conquista retira nossa paz e os nossos melhores sentimentos, nos tornando mais materialistas e interesseiros, acreditando que estas regras são aquelas que nos levarão a felicidade eterna. Vivemos em um engano crescente, acreditamos na felicidade e nos esquecemos de buscar tudo aquilo que nos auxilia nesta busca constante, deixamos os valores da alma e nos assenhoreamos dos valores monetários e como nos disse Jesus Cristo “…não dá para servirmos a Deus e a Mamon”.

Vivemos num mundo de escolhas crescentes, todos os dias somos impulsionados a tomar decisões e fazer escolhas, queremos os prazeres que a vida pode nos dar e, ao mesmo tempo, a consciência tranquila que nossas boas atitudes podem nos conceder, mesmo não percebendo que os caminhos traçados na atualidade vão nos levar a colheitas mais consistentes e verdadeiras, estas colheitas são fruto de nossas escolhas pessoais.

Nesta caminhada nos envolvemos com pessoas diferentes, nos relacionamos com espíritos diferentes, atraímos energias diferentes e, muitas vezes, não conseguimos controlar nossas ansiedades, acumulando sentimentos menores com relação a outros, que podem crescer e criar constrangimentos futuros, se transformando em mágoas, rancores e ressentimentos.

Todos nós temos estes sentimentos em nossos corações, relacionamentos fracassados, amizades desfeitas, conflitos profissionais e desequilíbrios antigos, muitas vezes que remontam a outras encarnações ou até mesmo desta experiência material, que embora não nos lembremos detalhadamente, traz inscrita em nossa mente e estamos sempre evocando em momentos de pouca vigilância.

Estes sentimentos negativos crescem dentro dos indivíduos, se transformam em raiva e em muitos casos levam a agressões e ressentimentos que são levados para outras vidas, diante disso, a Doutrina Espírita nos mostra a importância do perdão e da reconciliação, sabemos que, em muitos casos, este perdão é difícil e demorado, mas para toda grande caminhada temos que dar os primeiros passos.

O Espiritismo nos mostra que o melhor momento de nos reconciliarmos com nossos desafetos é agora, neste exato momento. Muitos acreditam que podem deixar esta conversa um pouco mais para frente, postergam este pedido de desculpas, acreditando que ao se desculpar estão se humilhando e se rebaixando. Ledo engano cometemos, a retratação e o pedido de desculpas sinceros auxiliam em nosso crescimento espiritual, evitando constrangimentos futuros enormes e dores das mais íntimas e pessoais.

Nos trabalhos mediúnicos, muitos são os espíritos que se comunicam com seus corações agredidos e ultrajados, muitos deles marcados por sentimentos de vingança, rancores e ressentimentos generalizados, irmãos que trazem estes sentimentos na alma, cultivando estas mágoas e criando os constrangimentos mais terríveis possíveis. Nesta situação, transformam suas vidas em uma constante perseguição visando destruir seus supostos algozes, adotando posturas agressivas e se comprazem com as quedas e as dores de seus perseguidos.

Esta perseguição constante atrasa seu crescimento e seu desenvolvimento espirituais, postergando momentos de progresso e a atração de sentimentos melhores e mais sólidos, deixando de construir valores morais e sentimentos mais consistentes que auxiliam no seu refazimento. A vingança, o ódio e o rancor são pesos pesados que os espíritos carregam em seu caminhar, são energias que os constrangem e repelem seu progresso e sua melhoria espiritual.

Muitos espíritos desencarnam e trazem para o mundo espiritual sentimentos desagradáveis, rancores e ressentimentos, estes irmãos incautos acabam cultivando durante muitos anos estas energias, deixando de conversar e de expor suas mágoas, remoendo-as com constância e fazendo com que, muitos melindres se transformem em agudos desajustes que se perpetuam no tempo, gerando medos, dúvidas e perseguições intensas.

Em outras situações, encontramos espíritos que se comunicam em sessões mediúnicas bradando rancores e ressentimentos, se dizendo vítimas de algozes agressivos e violentos, muitos destes irmãos se encontram tão perturbados que deixam a reflexão de lado, se colocando como vítimas e transformando sua caminhada em constante instrumento de vingança, se transformando em pessoas amargas e desagradáveis.

Muitos destes irmãos ao serem indagados sobre sua trajetória e os motivos da perseguição, se veem envoltos em grande confusão mental, seus sentimentos são de amor e saudade, sentindo-se traídos em vidas anteriores. Estes irmãos se acreditam vítimas de outros relacionamentos fortuitos, acreditando-se ultrajados em seus mais íntimos sentimentos. Estes companheiros não devem ser vistos como maldosos, cruéis ou violentos, muito pelo contrário, são corações feridos, amores agredidos e relacionamentos interrompidos que, por melindre ou vaidade, se transformaram em perseguidores que, com apenas uma conversa sincera, suas mágoas seriam resolvidas sem o acumulo de sentimentos menores.

Muitos irmãos se comunicam em trabalhos mediúnicos acreditando que foram vítimas de agressões, humilhação e despaupério maiores, colocam-se como vítimas e criticam intensamente seus algozes, descrevendo-os como maldosos e perseguidores, esquecem-se de que neste mundo não existem vítimas, quando nos colocamos nesta posição estamos contando para os outros apenas uma parte da história, na verdade estamos contando a parte que nos interessa, nos esquecendo que todos somos vítimas e algozes, muitos vivem nesta situação durante muitos anos, alguns por séculos e séculos, acumulando e cultivando sentimentos menores que nos conduzem a desequilíbrios frenéticos e acelerados.

Sabemos que, em muitos casos, o perdão se mostra difícil e demorado, em muitos casos para que sentimentos melhores sejam instalados, a espiritualidade maior programa uma nova encarnação, onde estes acabam se aproximando, em muitos casos na mesma família, como forma de dissipar os sentimentos menores e construir relacionamentos mais sólidos e consistentes, como vimos no caso de Segismundo, descrito em detalhes na obra Missionários da Luz, da coleção A vida no mundo espiritual, escrita por Francisco Cândido Xavier e ditada pelo espírito André Luiz.

Na sociedade em que vivemos atualmente, encontramos muitos sentimentos que sufocam os indivíduos, perdemos muitas vezes os referenciais de crescimento espiritual, deixamos de lado os ensinamentos que nos foram trazidos por Jesus Cristo e nos foram renovados com a Doutrina Espírita e nos deixamos conduzir por sentimentos de vingança e violência, esquecendo que tudo que fizermos para nossos semelhantes, sejam boas ou más ações, seremos responsáveis e as colheremos em algum momento de nossas vidas, sejam nesta experiência física ou em alguma outra de nossa evolução espiritual.

Outra situação que constantemente encontramos na sociedade, muitas pessoas veem irmãos caridosos, atenciosos e de bom coração passando por momentos difíceis, perseguições e obsessões, nesta situação bradam contra Deus e indagam porque estes, sendo justos e bons, estão passando por momentos de dificuldades? A Doutrina dos Espíritos nos mostra que estes irmãos são bons hoje, o que é um grande mérito, mas em experiências anteriores não foram tão bons assim, cometeram equívocos, arrebataram sentimentos e destruíram corações, gerando graves constrangimentos e dores naqueles que foram vítimas de suas vaidades.

Sendo bons na atualidade estes irmãos mostram que estão evoluindo, estas dificuldades serão vencidas e estes perseguidores serão orientados e disciplinados, com isso, sua melhora servirá para facilitar sua compreensão e evitar que este irmão cultivasse sentimentos menores com relação ao seu algoz, auxiliando seu progresso espiritual e, ao mesmo tempo, se melhorando como ser humano.

A Doutrina dos Espíritos nos mostra que a vida continua, a morte que amedronta a maioria das pessoas não existe, com isso, muitos relacionamentos desequilibrados, marcados por mágoas e ressentimentos devem ser reestruturados, estes sentimentos nos aproximam e nos levam a cultivar energias menores e dores intensas que duram muitos anos e séculos, gerando inimizades e agressões mútuas, onde os indivíduos se alternam dos dois lados da vida, cada um acreditando ser a vítima e agindo como um algoz tirano e ressentido.

Algumas pessoas vivem em constantes desequilíbrios, carecem de renovação espiritual, cultivam hábitos depreciativos, absorvem energias degradantes, desejam prazeres agressivos e vivem em constantes desequilíbrios internos, estes irmãos devem ser respeitados, devemos auxiliar da forma que pudermos mas devemos ter em mente que nosso auxílio deve vir acompanhado do esforço deste irmão, sem este esforço íntimo e pessoal, todo gesto que fizermos querendo auxiliá-lo podem gerar desajustes emocionais e nos causar graves constrangimentos posteriores.

Todos somos devedores, em nossas vivências cometemos inúmeros desequilíbrios, cultivamos hábitos e comportamentos inferiores que, constantemente aqueles que afetamos voltam para fragilizar nosso equilíbrio. Quando nos entregamos ao bem, oramos com sentimentos verdadeiros e cultivamos sentimentos saudáveis conseguimos a proteção para nosso progredir mais íntimo, com isso, entendemos as lições e agradecemos as oportunidades de crescimento que nos foram concedidas.

Remover de nossos corações sentimentos menores é fundamental para nosso progresso espiritual, absorver energias equilibradas e cultivar hábitos constantes de oração, leitura edificante e sentimentos melhores nos aproximam do progresso, dos bons espíritos e das boas energias, construindo uma estrutura de amor e solidariedade que nos conforta em momentos de desesperanças e medos e nos auxilia para que consigamos enxergar a luz e compreender as verdadeiras lições que recebemos todos os dias de nossa existência.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome