Mais cápsulas de Kardec e menos comprimidos antidepressivos  

0
343

A sociedade atual vive momentos de grandes transformações estruturais, os modelos de organização social e política estão em crise e muitos em fases avançadas de desintegração, exigindo dos indivíduos uma constante busca por compreensão de mundo, pena que muitas pessoas canalizam seus esforços para o conhecimento apenas do mundo material, se debruçam nos compêndios científicos e tecnológicos e se esquecem de fazer um mergulho interior, para analisar seus sentimentos, seus valores e suas mais íntimas emoções.

Nesta sociedade que cultiva e cultua o corpo, o hedonismo e a potência material, onde as pessoas buscam se mostrar sempre como símbolos de sucesso e de admiração, além de respeitáveis e dotadas de conhecimentos elevados, os prazeres carnais sobrepõem os valores do espírito, cultivar valores e sentimentos espirituais pode levar o indivíduo ao isolamento, sendo vistos como pessoas esquisitas que devem ser evitadas pelos chamados indivíduos normais.

Os ensinamentos deixados pelo grande pedagogo e intelectual francês, Allan Kardec, contidos na codificação da Doutrina Espírita podem nos auxiliar demasiadamente para a verdadeira compreensão da vida e de nossas responsabilidades, afinal não estamos neste mundo apenas para passear, existe um propósito maior para nossa estada no planeta Terra e o estudo de obras como O livro dos Espíritos, O livro dos Médiuns, O Céu e o Inferno, O Evangelho segundo o Espiritismo e A Gênese, podem nos auxiliar muito mais do que imaginamos, isto porque estas obras não analisam as questões apenas pela lógica da religião, como muitas doutrinas fazem, mas apresentam um olhar Filosófico e Científico.

A Doutrina Espírita nos mostra as dificuldades da sociedade contemporânea, seus conhecimentos nos auxiliam na compreensão do mundo e nos preparam para não nos deixarmos levar pelos atrativos materiais, pois neste mundo dominado pela tecnologia e pelos prazeres do dinheiro, seu excesso pode nos levar para os mais trágicos equívocos, com comprometimentos terríveis que podem perdurar durante muitas vidas ou séculos.

O Espiritismo não enxerga o dinheiro, a ciência e a tecnologia como coisas negativas e degradantes, muito pelo contrário, sabe da importância de cada um destes instrumentos criados pelo homem para dignificar a sociedade, mas sabe muito bem que estas mercadorias podem nos abrir portas frágeis e equivocadas, criando ilusões, desde que o indivíduo não compreenda a importância destes produtos e os transformem em instrumentos de interesses imediatos e individualizados.

O dinheiro nos abre portas variadas, pode auxiliar comunidades carentes, saciar a fome dos mais pobres e levar remédio e consolo para os enfermos, diante disso, deve ser visto como um grande instrumento de bem-estar social e melhorias para as comunidades. De outro lado, o mesmo dinheiro, ao ser usado de forma equivocada, pode nos legar prazeres materiais e estimular nossa vaidade e desejos descontrolados, levando muitos incautos a quedas tenebrosas, sendo motivo de chacotas, piadas e maledicência.

Quando encontramos histórias e experiências de quedas e degradação moral, de pessoas que se deixaram levar pelos prazeres do sexo desvairado e pelas glórias ilimitadas do dinheiro desregrado, nosso comportamento, na maioria das vezes, é de criticar e maldizer o irmão caído nos desequilíbrios da ilusão material, mal sabemos ou nos esquecemos, de que todos nós cometemos estes deslizes, em algum momento de nossa trajetória nos deixamos levar por estes prazeres imediatistas e sentimos na pele as marcas desta queda acentuada, uns aprenderam com as quedas e fizeram as pazes com a vida, enquanto outros continuam se debatendo em situações de vitimização e intolerância.

A Doutrina Espírita nos mostra que todos somos devedores das Leis da Vida, todos cometemos equívocos variados, nos deixamos levar por promessas de terceiros, nos deixamos contaminar pelos prazeres do sexo desregrado e pela ambição da riqueza material, diante disso, temos que nos conscientizar de que julgar os irmãos em queda é uma atitude covarde e hipócrita que cometemos quando deixamos de cultivar a empatia e não vigiamos nossos pensamentos.

Somos todos dotados de conhecimento e habilidades variadas, somos ainda, o resultado de milhares de experiências sucessivas nas duas partes da vida, no mundo material e no mundo espiritual. Diante destas informações libertadoras, devemos sempre evitar a vitimização e a terceirização de nossas responsabilidades, se estamos passando por momentos ruins, se nos sentimos tristes e desolados, devemos buscar em nosso íntimo as respostas para nossas indagações e dificuldades, sempre nos colocando no centro de nossos problemas e acreditando que somos donos de nossas escolhas e senhores de nossos destinos.

Os remédios devem ser utilizados em momentos específicos, a medicina tradicional vem passando por grandes avanços e desenvolvimentos, dores e aflições de épocas anteriores podem ser combatidas com remédios eficientes e eficazes. Nesta nova etapa da Ciência Médica contemporânea, muitos cientistas e pesquisadores desconhecem o papel e a importância dos bons espíritos em suas pesquisas e descobertas científicas, muitas delas são influenciadas e inspiradas por médicos desencarnados diretamente do mundo espiritual.

Embora saibamos da importância da medicina contemporânea, os indivíduos devem se utilizarem de outros instrumentos fundamentais para a compreensão de seus desajustes, estes instrumentos estão ligados ao conhecimento religioso, não me refiro as religiões que fogem e demonizam a ciência e o pensamento científico. Neste universo temos a Doutrina dos Espíritos como uma aliada incondicional, através deste instrumento, muitas pessoas vão perceber a importância do pensamento saudável, das boas energias, da oração, da água fluidificada, da caridade e do cultivo de boas amizades e da empatia, todas estas atitudes já foram estudadas, pesquisadas e analisadas pela ciência contemporânea, com descobertas interessantes e legitimadores do pensamento espirita.

Neste mundo onde o suicídio aumenta em escalas exponenciais, onde a ansiedade domina quase todos os indivíduos e grupos sociais, onde a depressão vitima mais de quatrocentos milhões de pessoas, onde os medos crescem de forma acelerada e os indivíduos fogem de suas responsabilidades imediatas, está na hora das pessoas mais intelectualizadas e conscientes compreenderem que o excesso de tecnologia e o abuso das redes sociais estão levando os indivíduos a uma situação de caos e de incertezas crescentes, onde os valores materiais estão se transformando em valores universais e dominando lares e degradando famílias.

A Doutrina dos Espíritos nos trouxe, desde a sua codificação, uma ampla gama de informações e de conhecimentos relacionados ao princípio da reencarnação, sem a conscientização e a compreensão destes conceitos, os indivíduos teriam dificuldades para compreender a magnitude da vida e das potencialidades do ser humano, sua imortalidade, instrumentos estes fundamentais para entendermos de que todas as dificuldades vividas e vivenciadas neste mundo servem para purgar nossos desequilíbrios nesta e numa outra existência, afinal temos uma única vida, mas inúmeras existências.

Na atual sociedade, os indivíduos carecem de recursos mínimos para a sobrevivência saudável, vivem como zumbis em trabalho intermitente e degradante, ambicionando, com isso, a satisfação de seus interesses imediatos de posse e de busca pelo prazer, deixando valores espirituais em detrimento de ganhos e rendimentos monetários, neste ambiente, quando acordam e se deparam com a realidade construída até então, se assustam e, no extremo, se debruçam nos pés do santo buscando a salvação desejada.

Olhar para dentro de si mesmo, refletir sobre suas necessidades, seus desejos e buscar compreender seus desequilíbrios, embora esta descoberta seja dolorosa num primeiro momento, pois o leva a compreender suas pobrezas morais e desajustes espirituais, podem auxilia-lo na sua trajetória e nas suas descobertas, contribuindo na sua evolução espiritual e no seu progresso moral, objetivos maiores de todos os indivíduos encarnados.

Nestas pesquisas interiores, muitos indivíduos se revoltam com suas descobertas e fogem desta nova realidade, abandonando o tratamento e ainda se tornando mais azedos, agressivos e inconsequentes. Outros se utilizam destas descobertas como instrumentos de melhorias íntimas e pessoais, encaram estes desequilíbrios como relativamente normais, embora aceitem que são negativos e devem ser corrigidos. A Doutrina dos Espíritos nos oferece um conjunto imenso de conhecimentos e renovação, cabe a cada um de nós nos utilizarmos deste conhecimento da forma que mais nos convém, nos melhorando e crescendo espiritualmente.

Os remédios contra depressão estão sendo difundidos para todas as regiões do mundo, os indivíduos se encontram em momentos de apreensão e insegurança e buscam nestes a solução de seus problemas e a redução de suas aflições, a simples ingestão destes medicamentos não trará as respostas que estes indivíduos estão procurando, a cura maior está no aprimoramento moral de todos os indivíduos, um tratamento doloroso e demorado que, em muitos casos, se prolongam durante muitos séculos, em variadas reencarnações.

Os livros espíritas devem ser vistos como um verdadeiro elixir de bênçãos de informações e conhecimentos para uma melhoria dos seres humanos, mesmo sabendo que para muitos a Doutrina Espírita é vista como a “doutrina do livro”, percebemos ainda, que uma parcela substancial dos chamados espíritas apresentam uma carga de leituras e estudos bastante limitados, livros clássicos e altamente interessante, como as obras de Francisco Cândido Xavier, Yvonne do Amaral Pereira e de André Luiz, obras essenciais para a compreensão da temática espírita ainda permanecem sem serem lidos e muito menos, estudados.

Mesmo não sendo possível tomar contato com todas as nossas experiências de vidas anteriores, a Doutrina Espírita nos fala do esquecimento do passado e suas implicações, mesmo assim, o Espiritismo nos mostra que é analisando nossas inclinações para compreendermos os motivos de nossas dificuldades, nossas inclinações nos traem quando expõem nossas fraquezas e limitações, é neste momento que devemos concentrar nossas forças para combater nossas dificuldades mais íntimas.

O Espiritismo nos mostra ainda, que somos testados em áreas e setores que somos mais frágeis e apresentamos maiores desajustes, não somos testados nos locais onde somos fortes, mas justamente ao contrário, diante disso, faz-se necessário compreender nossas fragilidades, analisar nossas limitações e construir virtudes verdadeiras para que possamos superar os ataques de entidades que querem nos fragilizar e nos levar a uma situação próxima da bancarrota. Nesta situação, não mais adianta culpar nossos detratores e adversários de vidas e embates anteriores pelos nossos desequilíbrios, é fundamental que entendamos que não existem vítimas e muito menos os chamados mocinhos, em milênios de existência, somos todos grandes vilões.

A Doutrina Espírita nos mostra a necessidade da moderação nos prazeres materiais e nos auxilia para que reflitamos sobre a importância dos trabalhos espirituais, pouco adianta acumular recursos financeiros, posses de bens e propriedades, riquezas inestimáveis para a sociedade em que vivemos, mas que não apresenta nenhuma serventia para auxiliar no progresso e no desenvolvimento do espírito, os verdadeiros bens são aqueles que estão dentro de cada ser humano e se baseia na moral e nos valores mais consistentes que acumularmos, distribuirmos e estimularmos, com estes valores caminhamos a passos largos para o desenvolvimento que tanto almejamos, o progresso espiritual.

Numa sociedade marcada por tantos desequilíbrios emocionais, onde as pessoas buscam nos remédios e nos antidepressivos a solução para seus desequilíbrios mais íntimos, a leitura e o estudo da obra de Allan Kardec deveria ser estimulada por todos os grupos sociais como forma de compreender as dificuldades da vida e entender que todas as dores e os problemas tem seu significado e importância na vida dos seres humanos, diante disso, deveríamos ler Kardec para compreender Jesus.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome