Partido Republicano matou o conservadorismo nos EUA, por Lúcia Guimarães

0
27

Encurralado por transformação demográfica, partido já não disfarça mais que pretende impor a ditadura da minoria

Folha de São Paulo – 14/10/2020

A cirurgia foi um sucesso, mas o paciente morreu. O ditado sarcástico se aplica ao Partido Republicano dos Estados Unidos que, para conquistar a Casa Branca, em 2016, decidiu cometer suicídio.

O sistema bipartidário americano, que alterna poder entre republicanos e democratas desde a segunda metade do século 19, ruiu com a eleição de Donald Trump. Se não existe bolsonarismo, apenas o capitão se desviando da lei e protegendo a família do palácio que os brasileiros sustentam, o mesmo fenômeno acontece em Washington.

Não há trumpismo, apenas um empresário incompetente, com várias falências no currículo, saqueando os cofres públicos, protegido pelo silêncio dos bilionários que hoje pagam menos impostos, os destruidores do meio ambiente que se livraram de leis reguladoras e os vigaristas que venderam a alma em troca de um assento no Congresso.

O espetáculo pornográfico da sabatina da juíza Amy Coney Barret, indicada pelo presidente para a Suprema Corte, basta para demonstrar a putrefação do que os americanos chamavam de conservadorismo. O partido de Abraham Lincoln, que aboliu a escravidão, é hoje um lacaio de quem oferecer o lance maior no leilão da política.

A juíza é uma extremista de boas maneiras. No espaço de algumas horas de audiência no comitê judiciário do Senado, ela se recusou a endossar a transferência pacífica de poder ao vencedor da eleição de novembro e a condenar a intimidação de eleitores que o presidente vem instigando em comícios.

Seu assento na corte, que parece garantido, foi comprado com dezenas de milhões de dólares por grupos de interesses que se escondem atrás de fundações laranjas. O sequestro da Suprema Corte pelo Partido Republicano nada tem a ver com princípios morais, criminalização do aborto e proibição do casamento gay. Essas bandeiras são chocalhos para agitar o culto.

Os juízes comprados por bilionários estão lá para cumprir uma agenda econômica –desmontar estruturas de governo, garantir impunidade da elite e desfigurar o país que emergiu mais democrático da Segunda Guerra.

Encurralado pela realidade –a transformação demográfica que torna impossível aos republicanos conquistar a maioria de eleitores nas urnas–, o partido já não disfarça mais que pretende impor a ditadura da minoria. Suprimir voto, reduzir drasticamente locais de votação e até roubar cédulas, como descobrimos na Califórnia, esta é a agenda republicana. Governar é apenas um contratempo na manutenção niilista do poder.

Não há o que recuperar. O movimento “nevertrumper” (nunca trumpista), que atraiu republicanos chocados com a confirmação da candidatura de Trump, endossa a candidatura do democrata Joe Biden em nome de conservadores.

Mas um expoente do grupo teve a coragem de admitir: só a extinção do Partido Republicano oferece saída para o pensamento conservador. Tom Nichols, um acadêmico especialista em relações internacionais, primeiro se desligou, em 2018, do partido ao qual pertenceu por quase toda a vida adulta.

Mas, em setembro, ele escreveu que não basta mais votar em Biden para punir os republicanos. Nichols acredita que o partido, transformado em culto à personalidade do presidente, perdeu a razão de existir. Corrupção, racismo, teocracia, desrespeito à lei e instituições hoje definem o que sobrou do partido de Lincoln.

Lúcia Guimarães

É jornalista e vive em Nova York desde 1985. Foi correspondente da TV Globo, da TV Cultura e do canal GNT, além de colunista dos jornais O Estado de S. Paulo e O Globo.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome