Prevenção do Feudalismo digital, por Mariana Mazzucato

0
84

Do Project Syndicate

Ao explorar tecnologias que foram originalmente desenvolvidas pelo setor público, empresas privadas de meios digitais adquiriram uma posição no mercado que lhes permite extrair lucros massivos de consumidores e trabalhadores. Reformar a economia digital de forma que sirva a fins coletivos é, portanto, o principal desafio econômico do nosso tempo.

LONDRES – A obtenção e o uso de dados pelo Facebook e por outras empresas de tecnologia estão finalmente conquistando a atenção que merecem. Considerando que os dados pessoais vêm se tornando o produto mais valioso do mundo, serão os usuários os donos ou os escravos da economia das redes?

As perspectivas de democratizar a economia das redes sociais permanecem pequenas. Os algoritmos estão se desenvolvendo de maneira a permitir que as empresas lucrem com nosso comportamento passado, presente e futuro – ou o que Shoshana Zuboff da Harvard Business School descreve como nosso “excedente comportamental”. Em muitos casos, as plataformas digitais já conhecem nossas preferências melhor do que nós, podendo nos levar a agir de forma a produzir ainda mais valor. Nós realmente queremos viver em uma sociedade onde nossos desejos e manifestações mais íntimos estão à venda?

O capitalismo sempre se destacou ao criar novos desejos e ânsias. Mas com o fenômeno big data e dos algoritmos, as empresas de tecnologia conseguiram agilizar e ao mesmo tempo inverter este processo. Em vez de apenas criar novos bens e serviços, antecipando o que as pessoas podem querer, elas já sabem o que queremos e estão vendendo nossos “eus futuros”. Pior ainda, os processos algorítmicos usados ​​frequentemente perpetuam os preconceitos raciais e de gênero e podem ser manipulados para obter lucro ou ganho político. Embora todos nos beneficiemos imensamente dos serviços digitais, como a pesquisa no Google, não nos registramos para que nosso comportamento fosse catalogado, modelado e vendido.

Para mudar isso, será necessário focar diretamente no modelo de negócios vigente e, especificamente, na fonte de rendas econômicas. Assim como os proprietários de terras, no século XVII, que calculavam os aluguéis sobre a inflação do preço da terra, e assim como os barões mercenários que lucraram com a escassez de petróleo, as empresas de plataformas digitais atuais estão extraindo valor através da monopolização de serviços de busca e comércio online.

Certamente, é claro que setores com alta externalidade de rede – quando os benefícios para cada usuário aumentam de acordo com o número total de usuários – irão produzir grandes companhias. É por isso que as empresas de telefonia cresceram tanto no passado. O problema não é o tamanho, mas como as empresas baseadas em rede exercem seu poder de mercado.

As empresas de tecnologia originalmente usavam suas amplas redes para atrair diversos fornecedores para o benefício dos consumidores. A Amazon permitiu que pequenas editoras de obras vendessem títulos (incluindo meu primeiro livro) que, de outra forma, não teriam chegado às prateleiras das livrarias locais. O mecanismo de busca do Google costumava devolver uma variedade diversificada de fornecedores, bens e serviços.

Entretanto, hoje ambas as empresas usam suas posições dominantes para reprimir a concorrência, controlando quais produtos os usuários veem e favorecendo suas próprias marcas (muitas das quais têm nomes aparentemente independentes). Enquanto isso, as empresas que não anunciam nessas plataformas encontram-se em séria desvantagem. Como Tim O’Reilly argumentou, com o tempo, essa busca de aluguel enfraquece o ecossistema de fornecedores aos quais as plataformas foram originalmente criadas para servir.

Em vez de simplesmente presumir que os recursos econômicos são iguais, os formuladores de políticas devem tentar entender como os algoritmos da plataforma digital alocam valor entre consumidores, fornecedores e a própria plataforma. Enquanto algumas delas podem refletir a concorrência real, outras estão sendo manuseadas pela retirada de valor, e não por agregar valor.

Portanto, precisamos desenvolver uma nova estrutura de governança que começa com a criação de um novo vocabulário. Por exemplo, chamar as empresas de plataforma digitais de “gigantes da tecnologia” implica que investiram nas tecnologias das quais lucram, quando foram realmente os contribuintes que financiaram as principais tecnologias subjacentes – da Internet ao GPS.

Além disso, o uso generalizado de direitos fiscais e contratações trabalhistas independentes (para evitar os custos de seguro de saúde e outros benefícios) vem corroendo os mercados e instituições que dependem da economia digital. Em vez de falar sobre regulamentação, precisamos ir além, abraçando conceitos como co-criação. Os governos podem e devem estar moldando os mercados para garantir que o valor criado coletivamente atenda a objetivos coletivos.

Da mesma forma, a política de concorrência não deve se concentrar apenas na questão do tamanho de uma empresa. A divisão de grandes empresas não resolveria os problemas de retirada de valor ou abusos dos direitos individuais. Não há razão para supor que muitos Googles ou Facebooks menores operariam de maneira diferente ou desenvolvessem novos algoritmos menos exploradores.

Criar um ambiente que recompense a criação de valor genuíno e puna a retirada de valor é o desafio econômico fundamental de nosso tempo. Felizmente, os governos também agora estão criando plataformas para identificar cidadãos, coletar impostos e fornecer serviços públicos. Devido a preocupações nos primeiros dias da internet sobre o uso indevido oficial de dados, grande parte da arquitetura de dados atual foi construída por empresas privadas. Mas, as plataformas governamentais, agora tem um enorme potencial para melhorar a eficiência do setor público e democratizar a economia digital.

Para realizar esse potencial, precisaremos repensar a governança de dados, desenvolver novas instituições e, dada a dinâmica da economia de plataforma, experimentar formas alternativas de propriedade. Para citar apenas um dos muitos exemplos, os dados gerados ao usar o Google Maps ou o Citymapper – ou qualquer outra plataforma que dependa de tecnologias financiadas pelos contribuintes – devem ser usados ​​para melhorar o transporte público e outros serviços, em vez de simplesmente se tornar lucros privados.

Certamente, alguns argumentam que a regulamentação da economia digital impedirá a criação de valor orientada pelo mercado. Mas eles deveriam voltar e ler seu Adam Smith, cujo ideal de “mercado livre” era livre de rendas, não do Estado.

Algoritmos e big data poderiam ser usados ​​para melhorar os serviços públicos, as condições de trabalho e o bem-estar de todas as pessoas. No entanto, essas tecnologias estão sendo usadas atualmente para minar os serviços públicos, promover contratos de zero hora, violar a privacidade individual e desestabilizar as democracias do mundo – tudo em prol do ganho pessoal.

A inovação não tem apenas uma taxa de progressão; também tem uma direção. A ameaça representada pela inteligência artificial e outras tecnologias não está no ritmo de seu desenvolvimento, mas em como elas estão sendo projetadas e implantadas. Nosso desafio é estabelecer um novo rumo.

 

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome