Reencarnação e inimigos desencarnados: uma visão espírita

0
360

A reencarnação é um dos mais importantes passaportes para a compreensão da existência e da justiça de Deus, sem conhecer, estudar e compreender a amplitude do conceito da reencarnação, o homem vai continuar batendo cabeça e acreditando existir seres inocentes nos momentos de dificuldades e de desesperanças, momentos estes cada vez maiores na vida de todas as pessoas, períodos de medos e desesperanças que as aflições nos maltratam intimamente e nos levam, muitas vezes, a atitudes equivocadas cujos transtornos nos perseguem por muitos anos.

O conceito de reencarnação não foi trazido para a sociedade internacional pelo Espiritismo, muito antes da doutrina codificada por Allan Kardec, no século XIX, outras doutrinas orientais já destacavam as existências sucessivas, onde os indivíduos viviam várias vidas, o Espiritismo trouxe uma roupagem mais rebuscada, mostrou que o mundo se subdivide, vivemos na matéria mas somos na realidade espíritos, a verdadeira pátria da vida acontece no mundo espiritual, na matéria estagiamos em busca de uma perfeição relativa, somos espíritos milenares e alternamos o mundo físico e, posteriormente, o imaterial, buscando um progresso que nos auxiliará na melhoria de nossos sentimentos e de nossas atitudes.

A doutrina dos espíritos descortinou um mundo novo para a sociedade mundial, com ela, todos passamos a compreender que a vida não se encerra no túmulo, este último pode ser descrito como o suspiro final do espírito em uma vida material mas, a vida do espírito, a vida imaterial pode estar apenas começando, com isso, transformar a nossa existência na carne no momento único de nossas existências pode nos trazer amargas experiências e nos condenar a dores acerbas, quantos irmãos acordam no mundo dos espíritos e se sentem órfãos de compreensão espiritual, eram religiosos, estudavam doutrinas estanques, acreditavam que ao morrer esperariam pelo final dos tempos e o juízo final, aí sim seriam admitidos nas fileiras do Cristo, afinal eram pessoas boas, honradas e caridosas, ledo engano, a vida é muito mais complexa e dinâmica do que estas religiões ensinam, no mundo o sono é um momento importante de refazimento para trabalhar mais e sempre mais, visando sempre o crescimento e o aperfeiçoamento do espírito.

Quantas pessoas acreditam, a vida física inteira, que a morte é o fim da existência humana, diante desta tese, passa a agir como se o momento atual é o derradeiro e transformam suas vidas em uma busca constante por prazer, sexo, gozos, hedonismo e experiências transcendentais e quando caem em si, choram como crianças que perderam o brinquedo, quantos espíritos se manifestam em reuniões mediúnicas chorando e decepcionados com tudo que aprenderam, lágrimas e lamentos escorrem de seus rostos em desespero pela descoberta de que, a realidade da vida que os apresentaram, estava equivocada.

Muitas pessoas passam a vida toda buscando saber o que foram em existências anteriores, gastam fortunas com médiuns e consultas em espaços pouco respeitosos para saberem quem foram em outras vidas, muitos ficam felizes e cheios de orgulho quando descobrem que, na vida passada, foram reis ou rainhas, dotados de grande poder e riquezas imensuráveis, tudo isso é uma grande ilusão afinal, a grande maioria foi, em existências pregressas, camponeses e servos honrados e respeitados, mas estes não possuem o glamour e o brilho dos indivíduos de sangue azul mas, na maioria das vezes, são mais iluminados do que os membros da realeza. Para sabermos o que fomos em vidas anteriores, o melhor é olhar para dentro de nós mesmos e auscultar nossas tendências, quando percebemos neste ato sentimentos bons e fraternos conseguimos compreender que, em outras existências, fomos seres humanos bons e promissores agora, se ao olharmos para dentro de nossos sentimentos encontrarmos mágoas, rancores e ressentimentos, é hora de buscarmos auxílio para que nesta nova existência consigamos crescer e nos fortalecer como seres humanos, nos livrando destes sentimentos menores que tanto nos incomodam e nos levam a uma estagnação em nossas existências.

A morte não é o fim como muitos acreditam, muitos se deparam com perseguidores ou inimigos espirituais durante toda vida, são pessoas que se julgam inocentes, pessoas que agora são boas de coração e dotadas de sentimentos nobres que, por um motivo desconhecido, estão passando por obsessão e perseguição espiritual, diante disso, nos momentos de dores e desesperanças, buscam ajuda espiritual e se apresentam como seres que passam por perseguições de espíritos malignos, acreditam que seus perseguidores são espíritos inferiores e cruéis, quanto engano cometem pensando desta forma, como Deus admitiria que fossemos perseguidos e mal tratados por espíritos inferiores se nada tivéssemos feito para este irmão espiritual? Onde estaria a justiça divina em permitir esta perseguição? Se existem irmãos desencarnados que nos perseguem é porque, em algum momento de nossas existências cometemos erros ou equívocos contra estes irmãos, como não nos perdoaram estão a nos perseguir, para que não soframos tanto é imprescindível que entendamos que não existem inocentes.

A Doutrina nos mostra, que todos os débitos que possuímos com nossos semelhantes é fundamental que reparemos em vida, muitos se dizem vítimas de conchavos e se refugiam nos rancores e nos ressentimentos e mais, acreditam que agem corretamente e não querem nem ouvir falar no companheiro que julga ser seu algoz. Muitos esquecem que se não nos reajustarmos com nosso semelhante enquanto estamos encarnados e vivendo ao seu lado, em um outro momento seremos escalados para este reajuste e este, nem sempre ocorre de forma amistosa, muitos irmãos que carregam rancores e ressentimentos são escalados a reencarnar ao lado de nosso algoz de vidas anteriores, muito de nós nascemos em lares onde o irmão ou um parente próximo fez parte de nossas desditas em momentos anteriores, diante desta situação, faz-se necessário recolher nossos orgulhos e nos entregarmos a um reequilíbrio espiritual nesta vida, não devemos ser chamados para a prestação de contas mas sim nos anteciparmos com os corações conscientes e serenos.

Destacamos ainda, que ninguém consegue crescer espiritualmente carregando mágoas, rancores ou ressentimentos no coração, a melhoria do espírito prescinde perdoar os erros cometidos e uma reconciliação com todos aqueles que nos causaram constrangimentos, muitas vezes esquecemos quando ofendemos alguém, muitas vezes agimos de forma equivocada com nossos semelhantes e não nos importamos com palavras ou atitudes agressivas ou exageradas mas, aqueles que foram ofendidos ou se sentiram maltratados não se esquecem, muitos deles podem acumular mágoas que se não forem bem tratadas podem se transformar em ressentimentos futuros, é importante para alcançarmos nosso progresso que deixemos de lado estas picuinhas e nos melhoremos como seres humanos, somente neste momento nos sentiremos melhores e mais preparados para as benesses da vida.

Outros descobrem a existência de inimigos desencarnados e atribuem a estes os males que assolam as suas vidas, suas dificuldades e desequilíbrios são fruto de ressentimentos de irmãos que, em vidas anteriores, acumularam dissabores e voltam, neste momento, para cobrar a fatura, esta situação existe e pode ser descrita como algo natural, existem muitos espíritos que nos são trazidos nas sessões mediúnicas que se dizem perseguidores de irmãos encarnados, contam suas histórias e relatam que só terão paz e tranquilidade, quando conseguirem se vingar daqueles que os prejudicaram em momentos anteriores, sua descrição é tão sincera e seus argumentos são tão fortes, que passamos a acreditar que se trata de um irmão vítima de uma situação desconfortável, gerando solidariedade e empatia. O grande equívoco desta análise é que, muitos perseguidores espirituais se aproveitam de sua situação de invisibilidade para maltratar e levar irmãos encarnados ao desajuste ou ao desequilíbrio, estas atitudes os levam a momentos de prazer, mal sabem eles é que, num outro momento quem estará encarnado será ele mesmo e seu algoz estará no mundo espiritual, a situação se inverterá e agora o perseguido será o perseguidor atual. Somente o perdão e a solidariedade conseguirão acabar com este circulo vicioso entre estes espíritos e contribuir para a construção de um verdadeiro e natural circulo virtuoso, onde os equívocos serão superados e os laços de ódios, rancores e ressentimentos serão substituídos por laços de amor e de solidariedade.

A existência de inimigos desencarnados é uma constante na vida da grande maioria dos seres encarnados, todos nós em algum momento de nossa caminhada já nos indispomos com algum amigo ou conhecido, muitos nos perdoaram enquanto outros nunca o fizeram, deixaram que as mágoas fossem cultivadas e os ressentimentos foram transformados em ódios, estes irmãos precisam de ajuda, precisam de oração e de compreensão, são irmãos nossos que necessitam de nosso apoio e de nosso auxílio, é claro que quando percebemos a presença de entidades que querem o nosso mal, nosso comportamento é agredir ou maltratar este irmão, este sentimento instantâneo que nos invade não é o nosso melhor conselheiro e deve ser, rapidamente, substituído por outro, mais humano e fraterno, onde devemos compreender, que este espírito precisa de nossa ajuda, neste momento devemos orar e lutar para que as energias que enviamos a este amigo sejam energias de paz e de solidariedade, sempre visando o bem, a libertação e o crescimento desta entidade, a melhora de nosso “inimigo” é, na verdade, uma melhora nossa como ser humano.

Ao analisar a situação de uma forma mais fria e pormenorizada, percebemos que este irmão, em vidas anteriores, prejudicou e gerou graves constrangimentos ao irmão ora encarnado, esta situação não nos é contada pelo atual algoz mas está presença em seu perispírito e ao analisarmos conseguimos perceber claramente que ambas se atraem mutuamente, ambos vivem uma obsessão conjunta, ambos mantem fortes vínculos emocionais e espirituais entre si, com isso, a atração os aproxima e ao mesmo tempo os repele, uma situação mais comum do que imaginamos e está presente na vida de muitas irmãos encarnados e desencarnados, desfazer estes laços de ressentimentos e transformá-los em laços de amor e de solidariedade nos auxilia claramente em nosso progresso e crescimento espiritual e moral.

A Doutrina Espírita nos mostra a importância da oração, muitos acreditam que não existe a necessidade de orar e advogam que, se Deus sabe de nossas dificuldades, qual a necessidade de orar e solicitar amparo e proteção? A oração nos liga a Deus e aos amigos espirituais, acalentam nossos corações e nos fortalecem para os embates da existência, orar é uma forma clara de admitir que somos necessitados do auxílio divino e um instrumento de equilíbrio, ainda mais quando nos encontramos em uma sociedade marcada por tantos desequilíbrios físicos e morais, além de desajustes, psicológicos e espirituais.

O espiritismo nos leva a refletir sobre estes irmãos que se tornaram inimigos desencarnados, muitos de nós repelimos estes irmãos e os queremos longe e bem distantes, mas sabemos que, durante muitos anos de nossa existência, nós fomos os inimigos desencarnados de outros irmãos, fomos nós que, em momentos anteriores, deixamos nos inundar de mágoas, ódios e ressentimentos e fomos cegamente buscar satisfazer nossos sentimentos mais inferiores e mesquinhos, fomos nós os perseguidores que buscamos a vingança e a maldade daqueles que julgávamos nossos algozes, hoje sabemos quanto estávamos errados e o quanto Deus foi misericordioso conosco, erramos e hoje estamos construindo a nossa redenção.

Os inimigos desencarnados podem nos gerar graves constrangimentos, como vivem em esferas espirituais diferentes, podem nos induzir a atitudes constrangedoras e equivocadas, inúmeras pessoas cometem os maiores desatinos quando se encontram em momentos de influência espiritual mas, é importante destacar, que toda esta influência só é possível e permitida, quando deixamos brechas em nossos comportamentos, quando deixamos de nos manter equilibrados espiritualmente, quando nos distanciamos de Deus e dos compromissos morais mais saudáveis e quando nos deixamos ser levado pelos prazeres hedonistas irresponsáveis, somente assim abriremos espaços em nossas vidas para a influência negativa que cultivamos.

A Doutrina Espírita nos mostra que somos seres em constante evolução, o trabalho reto, marcado pelo equilíbrio e pelos sentimentos morais mais sólidos nos auxilia no crescimento e no progresso espiritual, este nos fortalece e nos protege de irmãos que, momentaneamente, se comprazem no mal e nos sentimentos de inveja, rancores e ressentimentos. O melhor antídoto para nos livrarmos destes irmãos indesejados é construir em volta de cada um de nós uma fortaleza de equilíbrio e trabalho no bem, frequentar um trabalho espiritual, ler livros edificantes que nos auxiliam na compreensão das dificuldades da vida, auxiliar nossos irmão necessitados, dispender um tempo para ouvir as dores de outros seres humanos e cultivar o hábito da oração, estas são algumas das receitas que nos levam a afastar irmãos sofredores mas, ao mesmo tempo um instrumento de elevação que nos levará a compreender, que estes irmãos são, na verdade, instrumentos que Deus nos envia para que possamos nos melhorar e nos construir espiritualmente.

A vida física é tão rápida e passageira que, na maioria das vezes imploramos o retorno a este mundo material, estar aqui é algo complexo e difícil, nos deparamos com nossas imperfeições é sempre penoso e dolorido, a vergonha é uma companheira constante e as cobranças nos perseguem cotidianamente, estar aqui é nos abrir para uma nova oportunidade de soerguimento espiritual, reconstruir nossas famílias e construir vínculos sólidos de amor e de solidariedade, é sempre fundamental deixar para trás todos os desajustes e desequilíbrios que fizemos e ainda fazemos em nossas existências enquanto espíritos, somos seres imperfeitos e buscamos a perfeição, a oração e o trabalho no bem nos ajudam em nossa trajetória mas, a verdadeira transformação começa na alma e se espalha para todo corpo físico afinal, somos Deuses e como tais podemos muito mais do que imaginamos, basta ter fé e se entregar aos desígnios do verdadeiro amor e da verdadeira caridade, a Doutrina Espírita pode nos auxiliar nesta transformação, desde que estejamos preparados para encarar de frente nossas limitações, desde que estejamos dispostos a nos perdoar de nossos erros e equívocos, desde que nós abracemos a Deus e nos comportemos como bons cristãos, a religião espírita pode nos auxiliar nesta caminhada mas somente nós, seres humanos, poderemos dar os primeiros passos desta transformação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome