Sexo, sexualidades e os dramas dos desequilíbrios sexuais

0
82

O mundo contemporâneo vive momentos de excessiva mercantilização, os indivíduos compram e vendem de tudo neste novo mercado capitalista, desde produtos, mercadorias e serviços até amor, sexo e amizades, as negociações são intensas e o comércio cresce de forma acelerada, transformando tudo em negócios lucrativos e negociáveis, como os chamados homem econômico que subsidia as bases da economia moderna.

Nesta sociedade, os valores materiais estão se sobrepondo aos valores do espírito, a religião tende ao predomínio dos valores monetários, deixando de lado os valores enobrecedores que sempre foram as bases das verdadeiras religiões, que agem como seu conceito mais consistente, a religação do indivíduo a uma força ou um ser superior. Os templos são suntuosos, os cofres destas igrejas estão abarrotados de recursos amoedados, os indivíduos mais abastados garantem uma grande soma de dinheiro em troca dos deslizes cotidianos, compramos de tudo e usamos os recursos materiais para tentar limpar a nossa consciência, tão congestionada com os valores do dinheiro e do imediatismo do momento.

Neste mundo em constantes transformações percebemos uma grande movimentação nos mercados do sexo, novas formas de sexualidade estão gerando constrangimentos nas famílias e nos indivíduos, levando a violência física e ao desequilíbrio moral, degradando os valores e criando desavenças e desestruturações familiares, além de medos e inseguranças. A sexualidade reprimida de muitas pessoas encontra neste mercado uma larga oportunidade de desequilíbrios e desajustes, neste mercado o sexo é estimulado, sem responsabilidades e compromissos, e com valores monetários envolvidos crescendo de forma acelerada e garantindo lucros extraordinários de uns poucos em detrimento de outros.

O sexo vem perdendo seus mais intensos sentimentos, a sexualidade irresponsável busca prazeres imediatos e fogem das responsabilidades, os indivíduos buscam os gozos e não os compromissos, querem uma vida marcada por divertimentos e sem compromissos, como nos informa o grande sociólogo polonês Zygmunt Baumann, na obra Amor Líquido. Nesta obra, o autor reflete sobre os novos relacionamentos, todos centrados na busca pelo prazer e no distanciamento dos transtornos e das decepções, sem ligações e sem retornos, sem compromissos e sem decepções e comprometimentos.

Neste novo mercado encontramos um potencial explosivo, somente o mercado do sexo e da sexualidade movimentam mais de US$ 400 bilhões anualmente, agitando um mercado bilionário, caracterizado por filmes, viagens, turismos, academias, estética e beleza, gerando empregos e movimentando os sistemas econômico, financeiro e bancário. O mercado percebeu rapidamente que as energias emanadas do sexo são uma das mais potentes do ser humano, um potencial avassalador que quando utilizado de uma forma serena pode gerar frutos positivos e imediatos, mas quando usados de forma equivocada tende a gerar constrangimentos violentos, dores e desequilíbrios intensos nos cidadãos.

As informações trazidas pela Doutrina Espírita nos levam a reflexões intensas, mostrando-nos que muitos dos desequilíbrios oriundos da sociedade estão relacionados aos desajustes sexuais, sexualidade destrutiva, gerando dores em irmãos que partiram para o mundo espiritual e ainda se encontram muito fortemente atrelados as energias sexuais, estes indivíduos apresentam grandes dramas na sexualidade, vivem pensando em sexo, em prazeres sexuais e desejos escabrosos, perpetuando diuturnamente como satisfazer estas vontades, com isso, se aproximam dos casais mais incautos e se satisfazendo mais intimamente, parasitando os desejos alheios e permanecendo muito atrelado ao sexo e aos gozos imediatos.

A Doutrina Espírita nos mostra a importância do sexo na sociedade, as relações devem ser responsáveis e os valores nelas envolvidos devem ser sólidos, os indivíduos devem ver o sexo como uma grande oportunidade de crescimento e de consolidação de uma base moral e espiritual mais consistente nos indivíduos, um movimento que pode culminar em relacionamentos mais intensos e estruturados, chegando muitas vezes na construção de uma nova família, baseada em valores mais verdadeiros de amor, respeito e solidariedade.

São muitas as obras espíritas que nos trazem informações sobre a temática da sexualidade, dentre eles destacamos Sexo e destino, ditado por André Luiz e Vida e Sexo, ditado pelo espírito Emmanuel, ambos psicografados pelo médium Francisco Cândido Xavier. Estas obras analisam a questão do sexo, suas energias e as responsabilidades e vínculos que geram entre os indivíduos, afinal nesta permuta de energias os espíritos trocam mais do que valores materiais, se integram e se tornam mais humanos e sentimentais.

Relacionamentos ocasionais e esporádicos são cada vez mais constantes nesta sociedade, a busca do prazer aumenta e as consequências muitas vezes são deixadas de lado, nestes casos muitos são surpreendidos com uma gravidez indesejada que se levada a cabo pode trazer graves constrangimentos para os envolvidos, desde desequilíbrios futuros até constrangimentos para o herdeiro que retorna do mundo espiritual, tendo nos pais pouco responsáveis e imaturos um envolvimento direto e uma responsabilidade intensa por seus passos futuros.

O espiritismo nos mostra que nos relacionamentos irresponsáveis e nos encontros esporádicos, sem sentimentos e valores desconexos, ocorridos em locais insalubres e deselegantes, muitos casais são acompanhados por entidades de baixo padrão vibratório, irmãos que mesmo desencarnados ainda não conseguiram se desvincular do mundo material, sua busca por prazer é tão insana que se refugiam em locais de vibrações semelhantes para se satisfazer com os prazeres de casais incautos e desequilibrados. Muitos relacionamentos estão marcados pela presença de inúmeras entidades, o casal foge para um local distante e acredita estar sozinho no local, mal podem imaginar que ao chegarem neste ambiente, encontram uma infinidade de entidades inferiores e espíritos de baixo padrão vibratório que se comprazem com as gotas de prazer deste encontro marcado pelo anonimato e pela insensatez.

Segundo Francisco Cândido Xavier, mais de cinquenta por cento dos irmãos desencarnados não tem consciência de que desencarnaram, são entidades que partiram para o mundo dos espíritos e ainda permanecem presos à matéria, sentindo os prazeres do sexo, das drogas e das bebidas, nesta situação se aproximam de irmãos incautos e passam a extrair destes indivíduos gotas destes prazeres, atuando como verdadeiros vampiros espirituais, mesmo não querendo fazer mal ao seu hospedeiro, acabam-lhe gerando fortes constrangimentos, desde os emocionais, até os físicos e os espirituais. Em épocas nem tão remotas, muitas pessoas foram internadas em hospitais psiquiátricos como loucos ou como desequilibrados devido a presença de entidades que viam neles um espaço de prazeres e satisfações materiais. O desconhecimento das questões espirituais sempre trouxe grandes distúrbios na sociedade, levando muitas pessoas a tratamentos dolorosos, muitos deles sendo vitimados por choques elétricos e dores das mais intensas, sendo confundidos e chamados de loucos eram na verdade, apenas irmãos desequilibrados, muitos deles perturbados pelas energias do sexo descontrolado.

Neste novo ambiente, a sociedade está tomando contato mais intimamente com a homossexualidade, neste momento estão reencarnando uma grande quantidade de pessoas com desequilíbrios na área da sexualidade, que reencarnam nesta condição como forma de se reequilibrar com as leis divinas, estes irmãos se encontram em um amplo e positivo processo de educação de suas sexualidades, devido à anos de desajustes e desequilíbrios que precisam ser revistos, só assim estes irmãos vão conseguir se preparar melhor para novas oportunidades na matéria.

O Espiritismo nos mostra que a homossexualidade não deve ser vista como algo negativo, muitas famílias enxotam filhos e membros do seio familiar devido a manifestações homossexuais ou bissexuais, maltratam e agridem estes indivíduos e muitas vezes os humilham, acreditando que tê-los na família deve ser visto como uma punição de Deus. Outros mais desequilibrados acabam matando seus familiares, se rendendo ao rancor e ao ressentimento que, muitas vezes, se encontra no âmago de seu ser e num momento de insanidade e desesperança.

Muitos casos de homossexualidade ou de bissexualidade estão vinculados a desequilíbrios em vidas anteriores, muitos irmãos mal barataram as questões sexuais, humilharam ou agrediram irmãos homossexuais e, nesta vida, passam por vivências que antes condenaram como forma de desenvolver a solidariedade, o respeito e a empatia, deixando de lado as críticas mais ácidas e os julgamentos, tão comuns em pessoas superficiais e hipócritas.

O desenvolvimento tecnológico abriu novos espaços para a manifestação do sexo e da sexualidade, as redes sociais expõem as agruras sexuais dos indivíduos, que perdem o pudor de se mostrarem em câmeras e aplicativos, alguns fazem destas exposições espaços de lucratividade e de rendimento, transformando o sexo em um negócio altamente lucrativo, faturando milhões e vivendo no lucro, no consumo irresponsável e na alienação intelectiva. As redes sociais, como nos foi dito por Umberto Eco deu voz aos idiotas, levando-os a uma exposição excessiva, onde fotos e vídeos circulam sem nenhum puder, buscando performance e rentabilidade, valores materiais e luxo, deixando de lado os verdadeiros valores da vida. Quando estes irmãos desencarnam e retornam ao mundo espiritual se frustram com suas opções superficiais e imediatistas, percebendo o quanto perderam tempo na vida, deixando uma oportunidade de crescimento passar e se deixar levar por prazeres que pouco contribuem para seu desenvolvimento espiritual e emocional.

Quando os jovens homossexuais ou bissexuais, nos anos 90, passaram a se ver na internet, nos canais de streaming e nas TVs por assinaturas, começaram a se comunicar e passaram a criar comunidades, que cresceram e ganharam adeptos, com isso, passaram a compreender que sua situação vivida por eles devia ser vista como algo natural, a homossexualidade e a bissexualidade se transformaram em um drama menor que poderia ser compartilhado com outras pessoas e, com isso, suas dificuldades poderiam ser reduzidas e deixadas para trás.

O amor e o sexo devem caminhar lado a lado, os valores ligados ao sexo e a sexualidade devem ser vistos como uma preservação do templo maior dos seres humanos, que tem em seus corpos um santuário que devem ser entregues quando os indivíduos retornarem ao mundo espiritual, a responsabilidade pelas nossas vestes materiais é de cada pessoa, intransponível, podemos usar da forma que acharmos conveniente, mas não devemos abusar deste uso, pois se assim o fizermos, seremos responsáveis pelo desgaste excessivo que impusermos ao nosso corpo material.

A visão que aprendemos nas letras espíritas não nos condenam por atitudes e comportamentos, somos livres para atuar e comandar nossos comportamentos, mas devemos ter em mente que assim como somos livres para decidir devemos ter consciência de que nossas escolhas e decisões tem importância e consequências, muitas delas imediatas que vão seguir conosco durante muitos anos.

No livro Nosso Lar, psicografia de Francisco Cândido Xavier e ditado pelo espírito André Luiz, somos levados a conhecer a vida de um médico que quando acorda no mundo espiritual recebe a informação que seu desencarne foi obra de um suicídio indireto, o facultativo não queria se suicidar, mas abusou de seu corpo material de uma forma muito insana, viveu muitos relacionamentos e prazeres, muitos deles ligados ao mundo da sexualidade, e naquele momento teve de prestar constas a sua consciência, esta sim implacável e avassaladora.

Com estas novas formas de sexualidade, a sociedade passou a se ver de forma mais escancarada, neste momento passou a denegrir os indivíduos que apresentavam algumas dificuldades nesta área, com isso, passou a reprimir e tentar matar estes sentimentos que os homossexuais cultivam intimamente, desta forma aumentou os desequilíbrios emocionais dos indivíduos e abriu espaços para que os irmãos desencarnados que apresentavam o mesmo padrão vibratório se aproximassem e passassem a vampirizar estes indivíduos viventes no mundo material.

Somos dotados de energias variadas e atraímos as mais variadas energias no cotidiano, o sexo é um grande gerador de energias, segundo os especialistas as energias do sexo perdem apenas para as energias da mente, seu potencial é imenso, quando bem treinadas e educadas elas podem nos conduzir a amplos espaços de crescimento, atraindo boas vibrações e irmãos desencarnados, agora, quando deixamos estas energias nos dominar e nos comandar, atraímos entidades de baixo teor vibratório que nos causam graves constrangimentos no cotidiano.

Aqueles que vivem da exploração do sexo, quando deixarem o mundo material terão que responder por muitos desajustes e desequilíbrios impingidos a outros seres humanos, sem tirar a responsabilidade individual de cada indivíduo, somos chamados para um encontro com nossa consciência, é neste momento que encontramos as maiores dores, as maiores frustrações e os mais intensos sentimentos de que perderam tempo importante que não voltam mais, neste momento temos que nos perdoar e seguir em frente nos instruindo e nos capacitando para que quando uma outra oportunidade aparecer nós não mais nos envergonhemos de nossas decisões e comportamentos equivocados.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome