Socorro e assistência espiritual aos irmãos desencarnados  

0
20

A morte sempre esteve no centro das discussões mais íntimas dos seres humanos, as reflexões sobre o significado da vida, o que existe depois da morte? Para onde vamos?…São perguntas feitas todos os momentos na intimidade, neste espaço mais íntimo surgem reflexões que dificilmente podem ser debatidas e discutidas em público, mas fazem parte das indagações humanas a séculos, quem sabe milênios e, para a grande maioria, tende a demorar muitos séculos para serem discutidas e analisadas mais racionalmente.

As religiões, em sua grande maioria falharam em explicar e responder as perguntas acima, muitas delas evitam de comentar sobre estes assuntos e criam dogmas e verdades que não devem ser contestadas, com isso, os indivíduos se veem perdidos e sem explicações mais sólidas e consistentes, afastando muitas pessoas das fileiras religiosas, principalmente no atual momento da sociedade global, marcado por indagações e reflexões constantes, onde a ciência ganha adeptos e busca respostas mais diretas, enquanto muitas religiões se limitam a estimular dogmas e aceitações cegas e unilaterais dos fiéis.

A Doutrina dos Espíritos, codificada por Hippollyte Leon Denizard Rivail, posteriormente conhecido como Allan Kardec (1857), trouxe novas informações sobre a vida, seus significados, seus sentidos mais íntimos e nos revelou que a morte não existe e somos frutos de muitas existências sucessivas, onde nascemos, desencarnamos e retornamos novamente, em busca da perfeição e do crescimento espiritual. Esta nova doutrina não se restringe apenas a uma visão religiosa do mundo, suas análises são muito maiores, mais amplas e significativas, contemplando análises científicas e filosóficas.

Algumas visões religiosas acreditam que existem apenas uma única existência, por esta visão a morte é o fim de tudo, quando morremos deixamos o palco da vida e tudo se faz fumaça. Outras convicções religiosas acreditam severamente que quando morremos permanecemos dormindo até o fim do mundo, quando seremos acordados e julgados, se condenados seremos enviados ao fogo eterno, enquanto se formos absolvidos neste julgamento seremos levados ao céu, local onde vão os justos e os herdeiros de Deus.

A Doutrina dos Espíritos, codificada por Allan Kardec, nos traz uma visão bastante diferente das anteriores, mostrando-nos que a morte não existe, apenas alteramos nossas energias e migramos para um novo local, onde não mais teremos o corpo material, este local é conhecido como o mundo espiritual, onde nos encontraremos em espírito, o verdadeiro componente eterno da existência, mais sútil, mais dinâmico e mais consistente.

Por esta visão, quando morremos perdemos os invólucros materiais e nos percebemos espíritos, num primeiro momento a grande maioria das pessoas se encontra em situação de choque, dominados pelo medo e pelas dificuldades de compreensão e de adaptação. O médium mineiro Francisco Cândido Xavier nos relata, que a grande maioria daqueles que retornam ao mundo espiritual não conseguem se desapegar da matéria e permanecem levando a vida como anteriormente, ou melhor, querendo e achando que continuam levando a vida como em momentos anteriores, ignorando os claros sinais de que algo diferente aconteceu, como quando são ignorados pelos familiares ou por outras pessoas na sociedade.

Ao chegar no mundo espiritual todos os indivíduos pegam caminhos diferentes, cada pessoa apresenta sua história pessoal, seus méritos e merecimentos, suas vivências e seus trabalhos, seus sentimentos e valores mais íntimos, tudo isso deve ser analisado e levado em consideração neste momento, diante disso, percebemos que todos os nascimentos são diferentes enquanto todos os desencarnes também são diferentes, tudo vai depender dos nossos merecimentos.

No filme Nosso Lar, conhecemos a trajetória de André Luiz, que quando acordou no mundo dos espíritos estava num ambiente bastante assustador, tenebroso e degradado, marcado por gritos, desequilíbrios, choros e violência, este local recebeu a denominação de Umbral. Ao acompanhar a história do médico desencarnado, tomamos contato com uma realidade preocupante e aterrorizante, afinal de contas o ambiente era desolador e nele André Luiz permaneceu durante mais de sete anos, passando fome, frio e muitos medos. No momento do resgate, depois de anos vivendo em condições deletérias, a primeira pergunta feita para o socorrista no momento do resgate foi: Porque vocês demoraram tanto tempo para me socorrer neste ambiente assustador? A resposta do socorrista Clarêncio foi direta e enfática: Estávamos aqui o tempo todo, você que não nos deu a atenção necessária.

Através desta resposta podemos perceber que os socorristas estavam ao lado de André Luiz durante todos estes anos, mas infelizmente, as energias eram bastante diferentes, enquanto os socorristas vibravam em um diapasão superior, mais sublime e equilibrado, as vibrações do médico desencarnado eram densas e marcadas por ressentimentos, mágoas e constrangimentos.  A mesma experiência percebemos na obra Memórias de um suicida, psicografia de Yvonne Pereira e ditado pelo espírito Camilo Castelo Branco, nesta obra percebemos como os socorristas do Instituto Maria de Nazaré, a Legião dos Servos de Maria, não conseguiam se aproximar do escritor desencarnado, ainda muito materializado, isto porque as energias e os pensamentos eram bastante diferentes, sem esta integração a aproximação não se efetiva o socorro.

Estas obras nos mostram como os irmãos trabalham cotidianamente no mundo espiritual, se desdobrando para auxiliar todos que passam por dificuldades variadas, dentre estes destacamos aqueles que auxiliam os recém desencarnados, aconselham, conversam e instruem estes irmãos despojados dos corpos materiais, mas ao mesmo tempo, tão atrelados a matéria, tão centrados em energias físicas e tão ignorantes sobre os verdadeiros valores da vida.

No mundo contemporâneo, marcado por um forte materialismo, pelos prazeres do dinheiro, do sexo e das benesses do poder político e econômico, muitos desencarnados chegam ao outro lado da vida sem conhecimento sobre o mundo espiritual, são irmãos que dedicaram toda uma encarnação para a matéria, ignoravam os saberes do espírito e se viram, logo após o desencarne, em condição de materialismo extremado. Segundo os bons espíritos, na atualidade, estes casos se repetem com uma grande constância, a grande maioria dos desencarnados não sabe que não possuem mais corpos materiais, acreditam-se vivos e com saúde, e preferem ficar ao lado de familiares causando nestes graves constrangimentos, mesmo não querendo fazer o mal, a ignorância e o desconhecimento das Leis de Deus os levam a constranger e prejudicar aqueles que mais amam.

São muitos os espíritos socorristas que se dedicam ao auxilio dos irmãos desencarnados, muitos deles resgatam aqueles que se encontram em situação de desespero e desesperança, muitos se refugiam em regiões abissais e são detidos por entidades trevosos que lhes causam graves torturas e se comprazem com as dores infligidas aos semelhantes, vivendo em uma simbiose de dominação, rancores e ressentimentos.

São muitas as obras da literatura espírita que destacam a existência de colônias no mundo espiritual, são cidades organizadas e estruturadas que foram construídas para socorrer e auxiliar os desencarnados e, ao mesmo tempo, dar trabalho e ocupação para os espíritos, todas estas atividades garantem aos trabalhadores uma remuneração, os chamados bônus horas, que servem para adquirir produtos necessários para a ‘sobrevivência’ neste novo local. Nos relatos de pesquisadores espíritas, principalmente nas obras do Dr. Inácio Ferreira, o mundo material é uma cópia muito imperfeita do mundo espiritual, somos mais influenciados pelos espíritos do que nós, na nossa ignorância, imaginamos.

Nestas obras o Dr. Inácio Ferreira nos narra suas experiências depois da morte, seus novos trabalhos e as atividades desenvolvidas, nela percebemos uma constante busca por conhecimentos, leituras e estudos, tudo isto para compreender melhor o significado da existência e alcançar o progresso que todos almejamos. O livro Nosso Lar destaca os mais variados trabalhos de André Luiz no mundo espiritual, depois de anos no Umbral, quando chega a colônia espiritual acredita que está em condição de trabalhar como médico, profissão de sua última experiência no mundo material, mas percebe que a medicina deste lado da vida é muito diferente daquela desempenhada no mundo físico.

No mundo espiritual devemos buscar atividades todos os momentos, a perspectiva de descanso depois da morte, como muitos indivíduos acreditam, não passa de mais uma das ilusões que cultivamos, o mundo imaterial nos possibilita uma grande infinidade de trabalhos, estudos, capacitações e aprendizados, com isso, nos capacitamos para uma posterior reencarnação na matéria plena em êxito e sucesso, como almejamos.

Os trabalhadores que se dedicam ao trabalho, como dona Laura, mãe de Lísias, da obra Nosso Lar nos relata que aqueles, como ela, que trabalham com as crianças, evangelizando e educando, no mundo espiritual recebem bônus hora dobrado, isto porque estão preparando aqueles que, brevemente, retornarão ao mundo físico, contribuindo para que estes pequenos tenham maior chance de êxito nesta nova oportunidade.

Os mundos espirituais nos proporcionam oportunidades variadas, encontramos nestes locais todas as instituições que percebemos existirem no planeta Terra, a organização social e política é exercida por espíritos evoluídos e dotados de grandes sentimentos de justiça e de valores elevados, nestes locais não existem indicações nem proteção de amigos e familiares em detrimento de outros, existem a verdadeira meritocracia, onde todos são habilitados para o progresso, as oportunidades são dada para todos e o progresso espiritual ocorre através das energias emanadas diretamente de cada indivíduo, não existindo os chamados apadrinhamentos que distorcem os verdadeiros valores da sociedade.

A morte como os indivíduos a conheciam ganhou um novo contorno com o surgimento do Espiritismo, com esta revelação enviada por Deus e encaminhada pelos espíritos superiores, passamos a compreender melhor como se dá quando somos despojados do corpo material e nos encontramos em espírito, neste momento descobrimos a grandiosidade da obra divina e como devemos agir para merecermos o progresso espiritual. Diante da codificação trazida para a humanidade por Allan Kardec, percebemos que não mais podemos alegar ignorância com relação as coisas e os ensinamentos da vida, basca que busquemos compreender estas leis tendo em mente que somos todos irmãos e todas as nossas atitudes contam no processo de evolução e desenvolvimento do espírito.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome