2012: Um crescimento econômico decepcionante

0
422

A economia brasileira cresceu no ano passado míseros 0,9%, um crescimento muito tímido para um país que, nos anos anteriores, era visto como uma das próximas grandes potências pela comunidade financeira internacional, quando foi agraciado pela revista britânica The Economist como um país em vias de decolar para um novo patamar de desenvolvimento.

A conservadora revista britânica estampou a foto do Cristo Redentor na capa e alardeou para o mundo o sucesso do país no cenário internacional, era um momento de expectativas positivas e, a meu ver, bastante exageradas, um país com nossos problemas estruturais sendo visto como a nova potência econômica da atualidade, ainda mais num momento marcado por intensas transformações econômicas e tecnológicas, onde nossa infra-estrutura carece de investimentos e nossa mão-de-obra se ressente de uma injeção de produtividade e habilidades estratégicas.

O ano de 2012 foi decepcionante e frustrante para toda a comunidade econômica e financeira nacional e internacional, depois do otimismo exagerado vivemos um período de apreensão generalizada, o governo se defende colocando a culpa na crise econômica internacional e os críticos questionam as decisões pouco ousadas e, muitas vezes, carentes de originalidade, o script é sempre o mesmo: crise externa com perspectivas de desaceleração econômica interna leva o governo a intervir, aumenta o crédito e estimula o consumo, atua no lado da demanda rapidamente e se esquece que o problema maior esta na oferta reduzida de produtos, que com uma demanda aquecida acaba impulsionando a procura e, com isso, o incremento nos preços relativos acontece naturalmente culminando em repiques inflacionários, perigosos e desnecessários para um país como o Brasil.

Se ouvirmos o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, a impressão que temos é que o país está crescendo e se desenvolvendo de forma acelerada e constante, problemas inexistem e as previsões são sempre exageradas e se mostram, constantemente, equivocadas, levando a mesma revista, The Economist, que antes exaltava o país e suas perspectivas positivas a pedir a cabeça do ministro brasileiro, visto como lunático e ”altista”.

Segundo o ministro, o mundo está em crise, a instabilidade ainda é grande, o crescimento econômico se reduziu para todos os países, diante disso, nosso baixo crescimento se explica pela situação internacional, quando a crise internacional desaparecer o Brasil vai voltar a crescer e atingir seu verdadeiro potencial econômico, mas será que estas explicações são suficientes para que entendamos o baixo crescimento econômico do Brasil?

Para analisarmos mais diretamente esta questão, faz-se necessário darmos uma olhada no crescimento dos outros países, desenvolvidos e em desenvolvimento e, com isso, observarmos se nosso crescimento se iguala a destas outras economias. Dos países envoltos em crise, a maioria deles cresceu mais que o Brasil, economias em crise constantes tiveram um comportamento econômico muito superior ao do Brasil e concorrentes diretos no mercado internacional, como México, Rússia, Índia e China, foram agraciados por resultados econômicos melhores que o brasileiro, o único dos grandes que teve crescimento menor que o Brasil foi a Alemanha, um país de desenvolvido quando comparado ao Brasil, até os Estados Unidos que pouco tempo atrás estavam diretamente envolvidos na crise cresceram mais, muito mais, que o Brasil, sua taxa de crescimento ultrapassou 3%.

Sabemos que muitas dificuldades do governo atual se devem a herança do anterior, mas não estou dizendo que o governo Lula foi ruim, de forma alguma, o que quero dizer é que o crescimento de 2010 foi muito maior do que o possível com a atual condição da infra-estrutura brasileira, 7,5% de crescimento no último ano de governo foi positivo para o país e contribuiu para que a comunidade internacional e os agentes econômicos locais esperassem que o crescimento seria definitivo para o país, o clima de expectativas otimistas era grande mas os desafios estavam nítidos e evidentes para a economia, crescimento acima do estruturado gera boas chances de incremento inflacionário e, inflação é o que o país menos precisa neste momento, o que obrigou o governo a adotar algumas políticas mais rigorosas, reduzindo algumas das benesses anteriores.

Com receios inflacionários e perspectivas positivas, o capital estrangeiro chegou com mais regularidade ao país, aumentando a oferta de moeda estrangeira no mercado interno, com isso, a moeda nacional se valoriza de forma acelerada, as exportações caem e o setor industrial sente o ambiente conjuntural negativo, em contrapartida, as importações aumentam, a população consome mais produtos importados e o cambio passa a controlar a inflação, o ambiente é de otimismo para o cidadão comum, leigo em economia, mas para alguns especialistas mais sensíveis a situação da conjuntura econômica brasileira é preocupante, a indústria sente a contração e o setor perde importância no produto interno bruto, chegando a 14% do PIB em 2011, seu menor valor em termos históricos, nos anos 60 detinha 25% do PIB e no começo dos anos 2000, o setor era responsável por 15% do produto interno bruto.

É importante destacar ainda, que a retração do setor industrial é um fenômeno internacional, na maioria dos países o setor vem perdendo espaço na economia mundial, mas no caso brasileiro é importante destacar que, além do cambio desfavorável, temos outros fatores que inibem o crescimento do setor industrial numa economia global marcada pelo incremento contínuo da produtividade como forma de se inserir soberanamente no cenário externo, tais como: a alta carga tributária, a baixa produtividade do trabalhador brasileiro, a excessiva intervenção do Estado na economia, os altíssimos índices de corrupção, as mudanças nas regras do jogo econômico, entre outras.

Devemos destacar ainda, que o país vem adotando políticas econômicas parecidas com aquelas adotadas no período crítico da crise internacional, naquela época o país adotou medidas de desoneração tributária e incentivou os bancos públicos a injetarem bilhões de reais para financiar os consumidores, acreditando que esta medida geraria uma melhoria nas condições econômicas e espantaria, em definitivo, a crise internacional iniciada no biênio 2007/2008.

Acrescentamos ainda o crescimento do gasto público, apesar dos compromissos assumidos anteriormente de austeridade e de equilíbrio fiscal, o governo gastou de forma acelerada e, com isso, no final do ano apresentou graves constrangimentos fiscais, levando-o a adotar, novamente, uma contabilidade criativa para tentar esconder que, mais uma vez, não conseguiria cumprir com seus compromissos e com suas promessas fiscais, o efeito imediato da tal contabilidade criativa se alastrou para toda a economia mundial, os investidores viram-na como uma medida negativa e atabalhoada, levando-os a críticas generalizadas em todos os canais de televisão e meios de comunicação, desacreditando os formuladores da política econômica e motivando artigos críticos não só de oposicionistas, mas também de pessoas mais próximas ao governo, como o economista e ex-ministro do planejamento e da agricultura no governo militar, Antonio Delfim Neto, que achou a medida desnecessária e inoportuna.

Nos anos anteriores o crescimento da economia brasileira se deu via incremento no consumo e na ocupação da mão de obra desempregada, com pouca ênfase no investimento e na expansão da produtividade. Este modelo funcionou e melhorou as condições do país nos momentos de crise e instabilidade de 2007/2008, agora a situação é outra, estamos num momento que se aproxima do pleno emprego, insistir em uma política de incremento do consumo e do emprego é equivocado, mudar o modelo se faz necessário e urgente para evitar que tenhamos mais uma vez um crescimento pífio e muito aquém de nossas expectativas.

Aumentar o crescimento econômico do país é fundamental, sair do binômio consumo/emprego e inaugurar um novo modelo econômico baseado em investimento e em produtividade deve ser uma das principais estratégias do Estado, este pode ser descrito como o principal desafio do governo federal no momento, mas para que isso ocorra é necessário que o governo transfira mais responsabilidades de investimento na infra-estrutura para o setor privado, diminua as intervenções abruptas e intempestivas na lógica econômica e produtiva e reduza esta concentração excessiva de atividades nas mãos do Estado, que é uma atitude equivocada e dispendiosa, além do foco constante de corrupção e de desperdício dos recursos públicos, o desafio é grande, o assunto é complexo e envolve interesses nítidos e agressivos, mas são nestes momentos de distúrbios e desequilíbrios que se forjam os grandes líderes da sociedade internacional.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome