Desindustrialização e degradação das classes médias

0
59

O filme “A grande virada” destaca o incremento do desemprego em setores que poderíamos ser descritos como os altos executivos, os diretores e os grandes funcionários das empresas multinacionais ou dos transnacionais. Neste filme, o ator vivido por Ben Affleck, um dos diretores da companhia é dispensado depois de muitos anos dedicado a conglomerado, iniciando um verdadeiro calvário de recolocação no mercado de trabalho, convivendo com a indústria da recolocação dos executivos, as degradaçõessociais, a perda de condição social e muitas humilhações e explorações,mostrando as grandes mudanças no mercado trabalho em uma sociedade marcado por grandes transformações, aumentando os conflitos pessoais, familiares  e desesperanças generalizadas.

Ao assistir este filme, percebi que vivemos numa sociedade cujas mudanças estão gerando grandes desafios individuais e coletivos, ao analisar a sociedade norte-americana, que sempre foi vista como um espaço de valorização de todos os cidadãos que se dedicassem solidamente, vivenciando inúmeras oportunidades, marcadas pela liberdade e as grandes perspectivas de ascensão social, melhorando as condições sociais e aumentando as possibilidades de enriquecimento pessoal e entesouramento coletivo, garantindo ao país alcançar o pódio do desenvolvimento econômico e incremento na democracia, um país invejado e com forte propensão ao sucesso.

As grandes transformações na sociedade contemporânea estão deixando rastros de degradação nas classes sociais, onde destacamos as alterações nas classes médias, uma classe muito invejada por todos os conjuntos da sociedade, marcados por espaços clássicos de empreendedorismo, marcados pela ascensão social e pelo crescimento de seu poder de compra, angariando novos espaços de consumo e comportamentos sociais, transformando-a para a sociedade um verdadeiro farol de crescimento político, econômico e ascensão cultural. Nesta classe, encontramos os filhos dos operários e dos médios empresários no período posterior na segunda guerra mundial, cidadãos que tiveram a oportunidade de estudar, de se capacitar e se formar em universidades de ponta, muitos deles são frutos das universidades públicas e privadas de destaque, sendo responsáveis por grandes avanços da ciência, do conhecimento e das bases das tecnologias em variadas áreas e setores, garantindo um avanço científico para a sociedade contemporânea e abrindo novas perspectivas para os rumos da sociedade mundial.

A classe média está no centro das grandes transformações contemporâneas, são os grupos mais afetados pelo incremento das mudanças no mundo do trabalho, são trabalhadores que sentem os impactos das novas tecnologias, dos novos modelos de produtivos e sentem os avanços tributários dos governos nacionais, que veem nestes grupos como os mais frágeis na defesade seus interesses, com isso, perdem seus recursos e sentem o crescimento dos tributos, empobrecendo esta classe central no desenvolvimento das economias. O enfraquecimento dos setores industriais nos países ocidentais como agentes geradores de empregos, impacta fortemente sobre a classe média, reduzindo a demanda por empregos e incrementando o desemprego, o subemprego e a desalento.

Nos últimos séculos, segundo os especialistas, o setor terciário seria o grande gerador de emprego, absorvendo uma grande leva de trabalhadores expulsos dos setores agrícolas e industriais, se refugiando nos setores comerciais e de serviços. Nesta época, as visões otimistas acreditavam que os trabalhadores seriam empregados no terciário, mas percebendo que este último está passando por novas tecnologias, novos modelos de gestão e, com isso, reduzindo a absorção de trabalhadores, criando um futuro marcado pela redução de empregos formais e incremento dos setores informais, com cidadãos desprotegidos e sem benefícios sociais, incrementando os desequilíbrios sociais e aumentando as sensações de mal-estar e desesperanças de todos os grupos sociais.

No filme “A grande Virada”mostra, num dos momentos do filme, os personagens relembrando os momentos de crescimento da instituição, o incremento dos empregos e a melhoria das condições sociais dos trabalhadores e de todos os cidadãos do seu entorno, gerando melhora das condições de vida das cidades, aumento da arrecadação de impostos das cidades, atraindo novos investidores, novos conglomerados, empreendimentos imobiliários e estimulando o desenvolvimento das regiões.

Este ambiente passou por grandes transformações, os grandes setores industriais contribuíram para estimular os setores de classe média, com a desindustrialização dos países ocidentais, estes grupos sociais sentem os impactos da desindustrialização, exigindo novos modelos produtivos e novos instrumentos de absorção de levas de trabalhadores capacitados, levando-os buscar novas formas de remuneração, sem empregos estes cidadãos se entregam aos mercados de aplicativos, buscando trabalho para sobreviver, sem proteções, sem seguranças, sem amparos, sem perspectivas e sem remunerações condignas, estamos retornando, quando pensamos no mundo dos trabalhos, a momentos mais sombrios da sociedade industrial nos séculos XVII e XVIII, onde as explorações eram a tônica da sociedade, onde os trabalhadores estavam condenados a jornadas maiores de 16 a 18 horas por dia, uma verdadeira escravidão branca e degradante.

Christopher Guilluy, geógrafo francês, em seu livro “O fim da classe média”,publicado em 2019, faz uma reflexão sobre a desagregação das classes sociais, destacando o papel que sempre desempenhada por esta crise social que, na atualmente, perdeu a capacidade de se organizar, de auxiliar os grupos mais capacitados e passou a pensar e agir de acordo com seus interesses imediatos, acabando com a solidariedade de classe, se afastando das bases da sociedade e se fechando em seu mundinho interior, mais egoísta, angustiado e imediatista.

O modelo de produção que reina na sociedade internacional, centrados em estruturas flexíveis e dinâmicas, marcadas pelo crescimento de máquinas e de equipamentos, marcados pelas novas tecnologias da Indústria 4.0, centradas na biotecnologia, na internet nas coisas, na robótica, das estruturas de telecomunicação 5G, nas estruturas em nuvens, na empresa de streaming, das mídias sociais, exigem novas organizações produtivas e novos modelos de recrutamento e seleção de trabalhadores, mais dinâmicos, comunicativos, proativos e equilibrados emocionais e espirituais, exigências distantes da grande parte das forças de trabalhos, contribuindo para o incremento do desemprego e do subemprego, o desalento, da ansiedade, da depressão e, em muitos casos, ao suicídio.

Os grupos das classes médias sentem todas estas alterações dos modelos de trabalho, nos servidores percebendo a redução da empregabilidade, estes setores percebem a diminuição das contratações, sobrecarregando os trabalhadores que continuam empregados, com isso, percebemos que as cargas de trabalho crescem e as exigências aumentam, gerando síndromes variadas, desesperanças e preocupações crescentes, reformas crescem de forma aceleradamente, a Previdenciária, a Administrativa… dentre outras, levando estes funcionários a cargas de estresse, de desagregação social e emocional.

Muitos grupos sociais da classe média se apressam para conseguir aposentadoria, sonham com o descanso e tempos maiores para o lazer e para o descanso, infelizmente percebem que seus sonhos, em muitas vezes, são obrigados a buscar novos empregos como forma de manter seu padrão de vida, novas rotinas, novas ocupações e novas levas de estresses, incrementando os já crescentes desequilíbrios emocionais e espirituais.

Nestes momentos de pandemia, muitos setores das classes médias percebem uma redução considerável em seus rendimentos, muitos salários estão sendo diminuídos, muitas empresas estão falindo, muitos empresários que sempre sonharam em serem donos de seus negócios, acordam endividados, sem crédito e sem perspectivas, os sonhos para muitos empreendedoresacabaram se tornando um verdadeiro pesadelo. Neste ambiente de instabilidades e incertezas, inúmeras são obrigadas a retirar seus filhos das escolas privadas, muitos estudantes universitários são obrigados a abandonar os sonhos de um diploma superior, muitas famílias são obrigados a abandonar os planos de saúde, neste caso, mais de 2 milhões de trabalhadores tiveram que deixar seus planos, recorrendo aos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS), que neste momento de pandemia, mostrou para a sociedade a importância deste modelo universal criado pela Constituição de 1988, que é responsável pela cobertura de mais de 200 milhões de cidadãos, o único país do mundo, com mais de cem milhões de habitantes, que ousou garantir um sistema de saúde universal para todos os concidadãos, um serviço público que deveria ser visto por todos os brasileiros como um exemplo para a sociedade.

A classe média tem grande importância para a sociedade brasileira, desde os anos 90, percebemos que este grupo social perde espaço na sociedade, deste então estão sendo muito tributados, seus rendimentos são retirados diretamente dos respectivos holerites, seus recursos monetários estão degradando e levando-a a crises generalizadas, endividamentos crescentes, medos angustiantes e desesperanças sem fim. Percebemos que este grupo social precisa de um socorro imediato, sem este auxílio o futuro da classe média é a transformação em grupos mais fragilizados e empobrecidos, degradados e sem perspectivas futuros, corroendo as bases da sociedade e abrindo espaço para a degradação da sociedade, com aumento da pobreza, da indigência e a desesperança, abrindo espaço para grupos políticos populistas, inescrupulosos e aproveitadores.

Nos últimos anos, o sonho de um país de classes médias está ficando cada vez mais distante, estamos num momento inédito da história do país, precisamos repensar as bases do nosso desenvolvimento e as perspectivas para os anos vindouros, estamos próximo do caos generalizado e as expectativas para os próximos anos deve ser definidos na atualidade, reconstruir os sonhos do crescimento da classe média é o mesmo repensar os sonhos da cultura brasileira, da civilização nacional, retornando de teóricos que ousaram a pensar o nosso país, como Celso Furtado, Darcy Ribeiro, Florestan Fernandes, Caio Prado Júnior, dentre outros, intelectuais que pensaram no Brasil como uma potência tropical, soberano e autônomo, mesmo num mundo marcado por degradação ambiental e subserviências política e cultural.

 

 

 

 

 

 

 

 

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome