Dificuldades econômicas e otimismo moderado

0
310

Terminamos um ano marcado por grandes dificuldades na esfera econômica e política, embora tenhamos expectativas positivas para 2013, é importante ter consciência das limitações da estrutura econômica e política do país, otimismo sempre, mas contido e sujeito as modificações constantes dependendo da conjuntura nacional e internacional.

Depois de um crescimento de 7,5%, avassalador para um país como o Brasil, os anos seguintes foram marcados por baixo crescimento e algumas dúvidas e incertezas que minaram a credibilidade do país no cenário internacional. De estrela internacional, retratado como país relevante para a comunidade internacional pela influente revista britânica The Economist, o Brasil perdeu o posto de queridinho da comunidade internacional e hoje passa a ser visto com receio por investidores de todas as regiões do mundo, perdendo, com isso, investimentos e espaço na economia internacional, para se ter uma idéia desta perda de importância relativa na sociedade internacional, em 2011, o Brasil gerou um superávit na conta capital de US$ 60 bilhões, enquanto que em 2012 o saldo caiu para algo próximo dos US$ 16 bilhões, uma queda considerável em um período de tempo bastante reduzido, denotando uma perda de participação do país no mercado de capitais internacional.

Analisando a economia brasileira nos últimos dez anos, percebemos um otimismo exagerado por parte do governo, dos analistas e da comunidade internacional, me parecendo muito mais uma estratégia forte e bem estruturada de marketing e de propaganda oficial, que se caracterizam por pouca consistência teórica e muita opinião especializada disfarçada de pensamento científico.

Crescemos nos dois últimos anos, 2011/2012, em média 1,9%, um número bastante insuficiente para que pudéssemos ser alçado a uma categoria de país em desenvolvimento, mesmo sabendo que a economia mundial se encontra em crise desde 2008, nossos vizinhos da América Latina tiveram uma performance muito melhor que a brasileira, diante disso, o que explica estes indicadores tão frustrantes da economia brasileira?

Poderíamos elencar vários limitadores para um maior crescimento de nossa economia, alguns convencionais destacados pelos economistas neoliberais e outros mais heterodoxos destacados pelos economistas mais intervencionistas, são vários argumentos e explicações, mas gostaríamos de nos concentrar numa questão que serve para demonstrar mais claramente as dificuldades do governo para deslanchar o crescimento da economia neste biênio, a contradição e a incoerência das políticas adotadas na lógica econômica, que de um lado interfere em demasia na estrutura produtiva escolhendo setores eleitos e, de outro, limita os lucros de empresas e concessionárias de serviços públicos, tornando estas concessões perigosas e arriscadas e, com isso, afugentando grandes competidores, dotados de conhecimento técnico e operacional e abrindo espaço para aproveitadores e bajuladores políticos que preferem investir em lobbies do que no incremento da produtividade.

Encontramos no governo atual uma verdadeira ojeriza à palavra privatização, principalmente dentro do Partido dos Trabalhadores (PT), que nas últimas eleições rechaçou toda e qualquer tipo de venda de patrimônio do Estado Nacional, acreditando que este tem amplas condições de administrar e gerir de forma equilibrada e serena empresas em diversos setores, mas percebemos que este discurso apresenta limitações bastante fortes, dentro do governo e até mesmo dentro do partido da presidente encontramos vozes que flexibilizam este discurso e aceitam negociar uma redução do papel do Estado na economia, isto porque perceberam que o Leviatã não consegue atuar em vários setores com a rapidez e a eficiência que a economia moderna exige para estimular o crescimento econômico.

Mesmo reconhecendo a limitação do Estado empresário, o termo privatização ainda é visto como algo demoníaco, preferem adotar a expressão parceria, e com isso, passam a exigir dos parceiros que atuem em setores que necessitam da infra-estrutura necessária para impulsionar o crescimento do país, mas como as transformações são lentas e demoradas, fazem licitações cheias de instrumentos de intervenção estatal, criam barreiras e restrições para os investimentos e buscam manter nas mãos do Estado o controle de todos os setores, gerando instabilidades e incertezas que como conseqüência afastam os grandes grupos econômicos e financeiros, dotados de know-how e farta capacidade gerencial e atraem aventureiros e despreparados para o negócio, com isso, o grande prejudicado são os consumidores e a população de uma forma geral, que vai ser obrigada a pagar mais pelas concessões e os serviços oferecidos serão de qualidade bastante inferior.

Destacamos dois claros exemplos desta política, uma no setor de rodovias que, quando implantadas geraram muitas comemorações por parte do governo federal, pois segundo este, pela primeira vez, os concessionários vencedores seriam aqueles que cobrassem os menores valores de pedágios, depois de alguns anos e um balanço das concessões se percebeu, que a saúde financeira destas empresas ficou inviabilizada pelos valores reduzidos dos pedágios, com isso, os investimentos na conservação e na melhoria das rodovias se inviabilizaram e a população, mais uma vez, foi a grande prejudicada por tais medidas.

Destaque ainda para os aeroportos, tantas foram as exigências do governo para as concessões, que os poucos que se interessaram em participar destes leilões eram pouco qualificados para a empreitada, grupos internacionais despreparados e financeiramente controversos, com isso o próprio governo federal, ao fazer um balanço destas concessões desaprovou o resultado e prometeu uma mudança substancial no modelo e na forma de estruturar o negócio.

Estas atitudes hipócritas e ideologicamente equivocadas servem apenas para vender ilusões e fantasias para a população, surgem como uma falsa proteção dos indivíduos, atraindo votos dos mais incautos e enriquecendo os setores mais organizados, tanto sindicatos como setores empresariais, garantindo, com isso, uma perpetuação no poder marcada por fobias variadas e prejuízos nos investimentos na infra-estrutura, num momento onde o Brasil receberá duas das maiores competições do mundo, a Copa do Mundo de Futebol da FIFA (2014) e os Jogos Olímpicos na cidade do Rio de Janeiro (2016).

A aversão ao investimento privado, nacional e estrangeiro, pode gerar graves problemas para a economia brasileira, afugentando novos projetos e impedindo a geração de novos empregos, ser o queridinho da comunidade internacional não é algo tão interessante como alguns defendem, se analisarmos recentemente veremos que alguns dos países mais paparicados no mundo sentiram na pele esta cobrança mundial, vide o México e a Coréia do Sul, ambos eram muito elogiados no início dos anos 90 e, posteriormente, sofreram com graves desajustes econômicos e financeiros.

No caso brasileiro a ingerência do governo federal sobre o ambiente de negócios pode causar graves constrangimentos para a economia, intervenção cambial visando estimular o setor exportador que acabou gerando impactos inflacionários na economia, o incremento nos preços acabou reduzindo a renda da população e, em contrapartida, uma redução no consumo agregado e uma dificuldade da manutenção da inflação na meta estipulada anteriormente pela autoridade monetária.

Destacamos ainda, a redução agressiva nas taxas de juros da economia, a taxa selic terminou o ano em 7,25%, o menor índice nos últimos vinte anos, obrigando os bancos privados a alterarem suas estratégias de atuação sob pena de perderem o mercado para as instituições oficiais, principalmente o Banco do Brasil (BB) e a Caixa Econômica Federal (CEF), que adotaram uma postura bastante agressiva para aumentar sua participação no novo ambiente bancário brasileiro.

Do ponto de vista econômico o crescimento de 1% no Produto Interno Bruto frustrou muito os analistas econômicos, nacionais e estrangeiros, sem falar no governo, que alardeava taxas de crescimento econômico em 4%, para isso adotou inúmeras medidas fiscais e tributárias, principalmente a redução de impostos como o IPI sobre automóveis e eletrodomésticos, que seguraram o consumo interno mas, infelizmente não conseguiram alavancar o PIB, um dos menores da região, ganhando apenas do Paraguai, um país mergulhada em dramas políticos e institucionais.

O ano novo chegou e com ele inúmeras esperanças, um crescimento na casa dos 4% ou 4,5%, uma inflação controlada e mais próxima da meta, commodities em alta, no mundo uma recuperação das grandes economias internacionais, EUA, Japão e União Européia, um crescimento maior para a economia chinesa, que neste ano cresceu “apenas” 7,5%, um número baixo para os padrões da China, e quem sabe, um renascimento do setor exportador brasileiro, que nos últimos anos se manteve moribundo, com perda de crescimento econômico e redução de participação no mercado internacional, como sonhar não custa nada, se todos estes sonhos se tornarem realidade o crescimento pode ser robusto e o pibinho de 2012 pode efetivamente se transformar em um pibão, com ganhos substanciais para toda a sociedade brasileira.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome