Encontros de Jesus

0
105

A sociedade contemporânea apresenta um grande desenvolvimento tecnológico em todas as áreas e setores, com impactos generalizados para todos os indivíduos e comunidades, gerando facilidades, novas oportunidades de negócios e novos espaços de reflexões sociais e religiosas. Nesta sociedade, percebemos o crescimento das religiões de origens protestantes, fragilizações de outras correntes religiosas, como novas formas de cultos possíveis em decorrência do desenvolvimento do mundo digital, com novos canais de comunicação e aproximação dos indivíduos e as comunidades, vivemos num momento de grandes transformações planetárias, reflexões e descobertas que só estão disponíveis para aqueles que se debruçam nos estudos, nas reflexões e nas discussões democráticas, saudáveis e progressistas.

Nesta sociedade, embora estejamos destacando o crescimento das tecnologias e as mudanças nos instrumentos de comunicação, as pessoas se apresentam com grandes dificuldades de conversação e dos diálogos, muitos indivíduos se afastam das conversas saudáveis e preferem comportamentos de cancelamento, atacando a reputação e criando climas degradantes e repulsivos. Neste cenário, gostaria de refletir sobre a passagem de Jesus Cristo, ocorrida a mais de dois mil anos, e cujas repercussões são gigantescas para a sociedade mundial, sendo responsável pela divisão do mundo em duas eras, antes e depois de Cristo.

Nesta passagem, gostaria de salientar os inúmeros momentos de conversações desenvolvidas por Jesus de Nazaré, uma passagem de instrução, de reflexão, de estudo e de transformação, um momento imprescindível para a vivência em comunidade e como forma de compreensão dos grandes desafios da sociedade, lembrando ainda, que mesmo ocorrido há mais de 2000 anos, as conversas de Jesus devem servir como um instrumento de reflexão individual e coletiva, uma forma de compreender as verdades que existem, que sabemos existir e que habita nos nossos corações mas, muitas vezes, nos esquecemos por completo e até mesmo, fugimos desta realidade e preferimos viver cultivando ilusões e ignorâncias nas vivências cotidianas.

Neste período de mais de dois mil anos Jesus de Nazaré pode ser visto como um exemplo de conversação, de respeito e de transformações pessoal e individual, nestas conversas o Mestre conversou com variadas pessoas, onde podemos destacar os encontros com Zaquel, José de Arimatéia, Maria de Magdala, o senador Publius Lêntulus, Nicodemos, dentre inúmeros outros, sendo que as conversações foram responsáveis por grandes mudanças sociais e comportamentais.

Todos estes encontros foram destacados na literatura religiosa como uma forma de compreensão das grandes inquietações que existem nos corações dos seres humanos, as desesperanças, os medos e as tristezas que residem nos corações dos indivíduos.

Nesta conversa, gostaria de destacar o encontro de Jesus com Nicodemos, mas quem foi Nicodemos e porque seu encontro do Jesus de Nazaré foi importante e relatado no Evangelho de João, sendo estudado por muitos cristãos como forma de compreender a importância das vivências do Mestre, seus ensinos e suas reflexões, uma verdadeira aula para alentar os medos que existem na alma de todos os seres humanos.

Antes de conversarmos sobre o encontro com Jesus de Nazaré, vamos destacar que Nicodemos era um grande intelectual, um membro do Sinédrio, visto como uma personalidade respeitada pela comunidade, dotado de grande capacidade intelectual, contatos poderosos e, possivelmente, dono de um patrimônio respeitado na sociedade da época. Poucas eram as informações pessoais existentes sobre Nicodemos, mas sabendo que era visto como um grande intelectual e respeitado na época, qual o interesse de Nicodemos de se encontrar com Jesus de Nazaré, um simples e humilde carpinteiro, distante socialmente da condição de vida e da posição do membro do Sinédrio?

O encontro de Jesus e Nicodemos ocorreu à noite e lá estavam presentes dois discípulos do mestre, André e Tiago, que ouviram a conversa, observaram as falas do membro do sinédrio e perceberam quais foram as respostas de Jesus, os exemplos didáticos e os estímulos crescentes de reflexão que sempre caracterizaram as conversas com o mestre. A pergunta mais evidente de Nicodemos era como saber encontrar os caminhos para chegar ao reino de Deus, quais as atitudes e comportamentos eram fundamentais para que os indivíduos entrassem no reino divino, será que existiria uma senha, se houvesse, qual seria?

Nicodemos questiona Jesus como se faz para nascer de novo, como seria possível um homem velho nascer de novo, seria possível retornar ao ventre de sua mãe e, posteriormente, retornar a vida material? O mestre sorriu e destacou que a importância de nascer de novo era uma expressão simbólica e que todos precisamos nascer de novo para compreendermos os caminhos para a chegada no reino de Deus, onde podemos destacar que a expressão nascer de novo era vista como a reencarnação, ninguém consegue encontrar o reino de Deus sem nascer de novo, de renascer, onde encontramos uma grande diferença entre os mundos material e os mundos espiritual. Neste momento Nicodemos se encontra perdido, não conseguindo compreender os pensamentos do mestre de Nazaré e, desta forma, Jesus nos mostra que muitos ensinamentos eram muito difíceis de compreender, mesmo dialogando com um homem versado e conhecido como um doutor das leis, mesmo assim, esse doutor não conseguiu compreender os nuances das reflexões do Mestre de Nazaré, para muitos um simples carpinteiro e, na verdade, era o homem mais elevado e desenvolvido que pisou no planeta Terra.

Neste encontro, percebemos que todos os indivíduos apresentam dúvidas sobre algo, alguma preocupação, alguns receios na vida em sociedade, os sentimentos e os valores que abraçamos, ou seja, somos todos indivíduos cheios de medos, dificuldades e preocupações cotidianas, deste episódio, percebemos que somos todos seres imperfeitos e cheios de dúvidas e questionamentos. O encontro nos traz elementos para que nos conheçamos intimamente, essa conversa nos mostra que, mesmo sendo detentores de conhecimentos, somos sempre pessoas humanas e estamos sempre em construção, vivemos muitos anos para compreendermos os anseios que trazemos intimamente.

Depois das conversas do mestre Jesus e o integrante do Sinédrio, Nicodemos, percebemos que os discípulos estavam curiosos para questionar o mestre de Nazaré, um deles indagou se todos nascem iguais como pessoas apresentam dificuldades e outros apresentam apenas facilidades, uns dotados de grande genialidade e outros dotados de pouca capacidade intelectual, desta forma como acreditar a justiça de Deus?

Essas perguntas nos levam à grandes reflexões e o mestre nos mostra que se imaginarmos que todos somos filhos de um único pai, Deus, e todo pai ama seus filhos, o todo poderoso criou todos iguais mas alguns aproveitam as oportunidades e crescem de forma acelerada, aprendendo com os erros e criando novas trajetórias para sua caminhada, enquanto outros rechaçam a evolução, enveredam para caminhos equivocados e, desta forma, colhem obstáculos crescentes. Neste cenário, uns nascem mais afeitos aos sentimentos divinos, trabalham no caminho do Amor enquanto outros se comprazem com sentimentos negativos e desta forma, colhem dificuldades elevadas que servem como instrumentos para sua reparação emocional e espiritual, o nascer de novo é um exercício fundamental para o crescimento e o desenvolvimento dos seres humanos.

Na conversa com os discípulos, Jesus nos mostra que a verdadeira lei da sociedade é a lei do amor, que supera a lei da justiça, neste momento Tiago mostra a lei de Moisés, que destaca lei de olho por olho e dente por dente, neste momento o Mestre nos mostra que essa lei é frágil pois todos cometemos erros e equívocos, e quando cometemos erros e equívocos devemos ser punido exemplarmente, se matamos devemos ser mostos como a lei de então? Se isso for verdade, todas as pessoas deveriam ser punidas fortemente, não deixando que as pessoas se retratem pelos seus erros e seus equívocos.

O Mestre Jesus nos propõem uma lei maior, uma Lei de Amor, pois todos nás seres humanos somos irmãos uns dos outros e, como somos irmãos e fazemos parte da mesma família, devemos nos auxiliar uns aos outros como forma de retratarmos as faltas cometidas anteriormente. Numa família, todos os indivíduos devem auxiliar uns aos outros, quem comete equívocos deve ser auxiliado por todos os membros desta família, criando os elementos necessários para que todos se retratem e desta forma consigamos progredir emocionalmente, espiritualmente e socialmente, lembrando que é da Lei que todos nós estamos aqui, encarnados no mundo material como forma de progresso constante.

Na concepção criada e estimulada pelo Mestre Jesus, as reflexões propostas impactavam os pensamentos da época, os dogmas da sociedade e os valores dos grupos sociais e econômicos daquele período histórico, trazendo novos instrumentos para analisar as questões sociais, reduzindo os conflitos e estimulando uma sociedade mais pacífica e participativa.

O encontro de Jesus com Nicodemos nos leva à grandes reflexões, todos os indivíduos gostariam de se encontrar com o Mestre de Nazaré, diante disso, vamos pensar um pouquinho neste encontro e nesta reflexão gostaria de perguntar: qual seria a pergunta que você gostaria de fazer a Jesus de Nazaré?

Ary Ramos da Silva Júnior, Bacharel em Ciências Econômicas e Administração, Especialista em Economia Criativa, Mestre e Doutor em Sociologia e Professor Universitário.

P.S: Este artigo foi escrito pelo autor como uma forma de complementação da palestra proferida na Associação Espírita Allan Kardec, no dia 19 de novembro de 2023, disponível neste site www.aryramos.pro.br ou diretamente no link https://www.youtube.com/watch?v=bLaQGMlluEs