Juventude, angústias e desequilíbrios espirituais

0
85

Recentemente, os institutos de pesquisa publicaram informações relevantes para compreendermos os rumos perigosos da juventude nacional, os desafios dos jovens, os medos e as dificuldades emocionais, econômicas, sentimentais e espirituais. Neste momento, marcados por crises generalizadas da sociedade que se repercutem sobre as famílias, os jovens são fortemente impactados, exigindo de atenções de políticas públicas, autoridades e gestores públicos, para se antecipar aos desequilíbrios futuros, cujos custos são elevados, não apenas econômicos, mas sociais, políticos e sentimentais.

Esta pesquisa destacou o aumento do desemprego dos jovens brasileiros, indicando que mais de 38% destes estavam sem emprego, sendo que uma parcela significativa deste contingente nem trabalhavam e nem estudavam, com estes dados nos mostra uma situação de grande preocupação, exigindo políticas efetivas para reverter a situação. Ao analisar esta pesquisa, percebemos que o investimento na juventude deve ser feito imediatamente, evitando que as condições sociais deste grupo social se degradem de forma rapidamente e gerem constrangimentos para o futuro da sociedade.

A doutrina espírita nos traz uma grande quantidade de livros que abordam esta temática, mostrando a importância deste período do espírito, neste momento o indivíduo passa a viver inúmeros conflitos, desde emocionais, físicos, sentimentais e psicológicos, muitos desequilíbrios se fazem mais evidentes e intensifiquem as dificuldades, exigindo atenção de seus familiares, principalmente dos pais e familiares mais próximos, sob pena dos jovens sucumbirem aos excessos do mundo material, principalmente, desordem, sexo descontrolado, drogas, malversação de recursos financeiros, dentre outros.

As transformações da sociedade contemporânea colocam no centro os prazeres materiais e a busca por recursos financeiros, marcados pelo hedonismo, levam muitos jovens a adotarem medidas equivocadas e, posteriormente, vão se deparar com problemas futuros, gerando graves constrangimentos financeiros e emocionais. Ao mesmo tempo, percebemos que o mundo está se caracterizando por inúmeras transformações, cujos impactos são complexos, as famílias perdem espaço na sociedade, os conceitos estão priorizando os indivíduos em contrapartida ao conceito de coletividade, levando as pessoas a buscarem seus interesses em detrimento dos seus ganhos imediatos. Estamos vivendo um mundo, onde os intelectuais destacam a chamada disrupção, onde as estruturas anteriores estão perdendo espaço e uma nova está em franco surgimento, uma sociedade que ainda não mostrou suas características mais íntimas, num momento, percebemos muitos conflitos e desequilíbrios.

Nesta sociedade marcada por disrupção, os novos jovens estão surgindo, marcados por grandes oportunidades, desafios, dúvidas e dificuldades, sem terem referenciais de orientações, neste momento, percebemos que este grupo está caminhando sem rumo, sem bússola e sem orientação, o resultado é o crescimento dos conflitos. Neste momento, as famílias mais abastadas terceirizam seus filhos para os especialistas, os psicólogos e psicoterapeutas são chamados para resolver estes conflitos do mundo contemporâneo.

A doutrina espírita busca fortalecer as bases da família, os papéis dos pais são centrais e imprescindíveis, esta função não pode ser terceirizada para profissionais e mostra que as falências das criações criam marcas que perpassam inúmeros vidas, muitos pais negligenciam a educação de seus filhos e, quando retornam ao mundo espiritual, sentem na pele os equívocos do processo educativo, neste momento, percebem que as dores e os arrependimentos ficam cada vez mais intensa no mundo imaterial, lembrando dos erros, das dificuldade e dos ressentimentos.

O fortalecimento da família é fundamental para diminuir os desequilíbrios dos seres humanos, reconstruindo os laços de amor e solidariedade entre os seres humanos, o espiritismo nos mostra que os pais atuais são responsáveis pelos filhos, que em outras oportunidades foram nossos pais, num constante e contínuo ir e vir no desenvolvimento dos seres humanos em prol do crescimento espiritual, emocional e sentimental. O discurso em prol da família contemporânea deve evitar chavões como os que ouvimos nos círculos religiosos, que usam da subserviência, da repressão e do medo como forma de criar pessoas desprovidas da capacidade de reflexão e sentimento, deixando de construir a empatia, o respeito e a solidariedade.

A sociedade precisa construir novos espaços de sociabilidade e coletividade, estimulando o sentimento dos diferentes, estimulando espaços de empatia e acolhimento, construindo pontes entre os indivíduos e deixando de lado o desenvolvimento de novos muros de segregação, como percebemos na sociedade contemporânea, marcada por conflitos, desequilíbrios e desesperanças. O jovem tem um papel central na coletividade, cabendo aos dirigentes, os gestores públicos, a intelectualidade, a academia e os grupos dominantes se convencerem da importância deste grupo social para os anos posteriores, momento crucial para melhorarmos a sociedade, sem estas políticas centradas nos jovens caminharemos para a incivilidade e para a degradação.

As angústias dos jovens crescem constantemente, o desemprego cresce de forma acelerada, muitos países estão percebendo as crises crescentes na juventude, as cobranças do mundo material, a busca por ocupações, os medos do futuro e as baixas perspectivas de sucesso, levam inúmeros jovens a sucumbirem ao desespero, muitos estão assolados pela depressão e pela ansiedade, recorrendo a ansiolíticos e remédios para dormir e relaxar, neste ambiente, o suicídio cresce de forma acelerada, gerando degradações para todas as famílias, levando desespero e indignação.

A doutrina espírita nos auxilia na compreensão dos valores da vida, nos traz um conjunto de reflexões que colocam os seres humanos no centro das dificuldades da sociedade, disponibilizando uma grande quantidade de livros de estudo, de reflexão e de aprendizagem, mostrando-nos a importância de colocarmos no centro de nossas colheitas, somos seres em constantes evoluções, vivemos inúmeras vidas, passando por muitas vivências, momentos felizes e construímos infelicidades, somos frutos de nossas escolhas, sentimentos e pensamentos. Se estivermos passando por momentos de dificuldades, faz-se necessário refletirmos sobre nossas escolhas, tudo que sentimos, o que nos atrai, sem esta reflexão, dificilmente teremos condições de superarmos estes momentos de dificuldades e trilharmos horizontes mais saudáveis e com esperanças.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome