Reconstrução Nacional

0
30

O mundo contemporâneo está vivendo grandes transformações em todos os setores, desde questões comportamentais, dos relacionamentos, das estruturas produtivas, das bases sociais, das relações políticas e das culturais. Dentre as grandes mudanças da sociedade, os grupos sociais estão em confrontos abertos, gerando desequilíbrios e constrangimentos variados, uns buscando seus interesses imediatos, lutando por maiores benefícios monetários e financeiros, garantindo seus poderes econômicos e a manutenção de seus ganhos políticos. Nesta situação, percebemos que estamos caminhando a passos largos a um grande conflito social, com claros desequilíbrios econômicos e políticos, que podem culminar em grandes rupturas institucionais e impactos sobre a democracia.

Vivemos num momento de reconstrução nacional, os impactos da pandemia se disseminam para todos os setores econômicos e sociais, com graves preocupações políticas, diante disso, precisamos de um sólido projeto de reconstrução nacional, onde todos os grupos sociais precisam contribuir, de forma democrática e transparente, em prol da reconstrução nacional, onde o cidadão volte a ter orgulho deste país. Neste momento, precisamos reconstruir a economia brasileira, melhorando os ambientes de atuação dos setores mais empreendedores, garantindo empregos dignos e bem remunerados, estimulando um mercado consumidor consolidado, impulsionando o espírito inovador do setor privado, aumentando os investimentos produtivos e a melhoria das condições de vida da população. Nesta reconstrução precisamos reduzir os ganhos do rentismo e garantindo a construção de um pacto nacional em prol dos setores econômicos e produtivos, para isso, precisamos de uma união entre todos os grupos sociais, econômicos e políticos.

A pandemia nos trouxe grandes prejuízos, milhares de pessoas morreram, uma parcela substancial da população perdeu renda, os empregos foram reduzidos e a pobreza cresce de forma acelerada. Além dos impactos da pandemia, percebemos ainda os impactos das grandes transformações do capitalismo contemporâneo, que estão gerando o incremento da tecnologia, a redução dos postos de trabalhos formais e grandes preocupações em setores inteiros, gerando medos e desesperanças, levando os trabalhadores a buscarem requalificação profissional e investimentos na capacitação. Neste momento de transição na economia global, a atuação dos Estados Nacionais é fundamental, receita recomendada por todos as grandes instituições multilaterais, mostrando o nascimento de uma nova agenda econômica que, infelizmente, ainda não se faz presente nos gestores da política econômica, que insistem no discurso de austeridade e da redução dos gastos públicos, receituário abandonado pelo próprio Banco Mundial, pelo Fundo Monetário Internacional e pela Secretária do Tesouro, que recentemente destacou a importância dos gastos públicos na reconstrução da economia, ainda mais num momento marcado por incertezas e instabilidades gerados pela pandemia.

Neste momento, precisamos modernizar nosso discurso econômico, abandonando o excesso de ortodoxia e reduzindo a austeridade fiscal, cujos impactos são negativos, com a destruição das relações sociais e o aumento das desigualdades. Neste novo consenso econômico, precisamos de uma visão mais sistêmica dos problemas sociais, atuando conjuntamente para reconstruir a sociedade nacional, colocando no centro das decisões econômicas, os investimentos em capital humano, em pesquisas científicas e tecnológicas, na melhoria dos setores da saúde e da educação, setores muitos fragilizados na pandemia. Estes investimentos podem alavancar a economia nacional, construindo aspirações audaciosas na comunidade internacional, mostrando que a riqueza nacional não se restringe a uma economia exportadora de produtos primários, como no período colonial, mostrando para a comunidade internacional que, além de um setor primário pujante e empreendedor, somos uma nação industrializada e dotada de um setor de serviços modernos e capacitados para superar os desafios do mundo contemporâneo, marcados pela concorrência e pelas instabilidades produtivas.

Ary Ramos da Silva Júnior, Economista, Mestre, Doutor em Sociologia e Professor Universitário. Artigo publicado no jornal Diário da Região, Caderno Economia, 17/02/2021.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor digite seu comentaário
Digite seu nome