Resgate a bancos quebrados cria o chamado risco moral, por Schwartsman

0
254

É fundamental que operações de salvamento não recompensem gestores incompetentes

Hélio Schwartzman, Jornalista, foi editor de Opinião. É autor de “Pensando Bem…”.

Folha de São Paulo, 18/03/2023

Um mundo justo é aquele em que cada um responde por suas ações e omissões. A definição não é despropositada, mas receio que a maioria de nós não gostaria de viver num lugar assim. Nele, pessoas que não tivessem poupado para aposentadoria seriam condenadas à miséria na velhice; quem não tivesse plano de saúde morreria na porta do hospital. Vivemos em sociedades que redistribuem riscos, por variados mecanismos.

No Brasil, temos o SUS, um sistema de saúde universal bancado com dinheiro dos impostos. Temos também o INSS e programas de governo voltados para populações específicas. Mais longe do âmbito do Estado, temos seguros, hedges etc.

Também entram aí os aportes bilionários que governos estão fazendo no sistema bancário. A ideia aqui é que, se houver crise sistêmica, todos perdem. O problema com a redistribuição de riscos é que ela altera o comportamento de agentes de um modo que nunca é moralmente neutro. Os primeiros economistas já se deram conta do fenômeno e o chamaram de “moral hazard” (risco moral).

Um exemplo clássico é o do sujeito que, por ter contratado um seguro para seu carro, se torna menos cuidadoso e passa a estacioná-lo em ruas perigosas sem trancar a porta. Tais mudanças de comportamento podem afetar as taxas de sinistro, impondo custos extras a segurados que não ficaram mais desleixados.

É por isso que os desenhos institucionais e contratuais importam. Um modo de desincentivar o descaso do segurado é a franquia, que faz com que ele arque com parte do prejuízo se o carro sofrer dano. No caso do resgate de bancos, é fundamental que as operações de salvamento não recompensem gestores incompetentes e que se minimize o estímulo à complacência de correntistas (se meus depósitos estão garantidos, nem me preocupo em procurar um banco sólido). Uma boa contrapartida aos resgates é a regulação mais rígida, mas ela nunca vem ou é rapidamente deixada de lado.