Desafios contemporâneos de uma sociedade afluente

0
1200

O mundo nos últimos anos vem se transformando com uma intensidade cada vez maior, estas mudanças exigem da sociedade uma grande capacidade de mobilização política e social para a resolução dos problemas existentes e para a preparação para o futuro, com desafios e oportunidades, que podem definir avanços e retrocessos significativos, condenando definitivamente um país.

O Brasil nos últimos anos apresentou avanços variados nas mais diferentes áreas da sociedade, recebendo com isso o rótulo de país emergente, com grande destaque na mídia e nos fóruns internacionais, recebendo uma grande quantidade de investimentos e elogios significativos, mas estes elogios não podem criar um ambiente de euforia exagerada, muito pelo contrário, deve estimular o desenvolvimento de uma estratégia integrada de ação visando a superação dos graves desajustes que acumulamos nas décadas anteriores, preparando o país para um vôo seguro e sem turbulências.
Se olharmos para o Brasil nos anos 60 e 70, destacaríamos um país em amplo crescimento econômico, neste momento a sociedade acreditava que o crescimento da economia traria uma melhoria para todos os grupos sociais, queda na desigualdade e melhoria nos indicadores sócio-econômicos, o que se mostrou uma grande ilusão, neste período saímos de uma posição intermediária entre os países desenvolvidos e nos posicionamos entre as dez maiores economias do mundo, mas o resultado deste esforço não trouxe benefícios a todos, muito pelo contrário, as classes C e D foram penalizadas e a desigualdade social aumentou demasiadamente, transformando o Brasil num dos países mais desiguais do mundo e aumentando a herança que trazemos de um passado marcado pela escravidão e pela exploração de grande parte da sociedade, onde os latifúndios agroexportadores se satisfaziam dos esforços crescentes dos trabalhadores, sempre mal pagos e vítimas de uma excessiva carga de trabalho.

Neste período tivemos que conviver ainda, com mais de duas décadas de regime autoritário (1964-1985), período este marcado pelo crescimento econômico e pelo amplo descontrole inflacionário, pela repressão política e pela decadência da educação e da saúde públicas, que hoje nos afetam brutalmente e se transformaram em desafios a serem superados para melhorarmos os indicadores sociais e entrarmos num momento de crescimento sustentado e duradouro, visto que nos últimos trinta anos nos acostumamos ao conhecido stop-in-go, ou seja, períodos de crescimento econômico alternando com períodos de estagnação, cujos impactos sociais eram ruins e de difícil mensuração.
Depois de superarmos 21 anos de regime autoritário e consolidação democrática, onde a inflação foi vencida e a estabilidade econômica se tornou uma conquista, o país novamente se encontra em um momento de escolhas difíceis, mas fundamentais, que definirão o futuro do país, mas se postergadas teremos graves constrangimentos nos próximos anos. Depois de quinze anos de progressos econômicos e sociais, onde a estabilidade da economia foi construída e a inserção de um grande contingente de excluídos no mercado de consumo de massa se tornou uma realidade, o próximo passo será a melhoria na educação e na saúde, afinal neste momento, pleno século XXI, como nos tornarmos grandes e influentes em um mundo globalizado onde a população se tornou um ativo fundamental, com indicadores pífios e insignificantes.

Apesar do crescimento econômico dos últimos anos temos um longo caminho a percorrer, alguns relacionados ao crescimento descontrolado da violência nos grandes centro urbanos que preocupa e inibe investimentos, gerando transtornos crescentes e fragilidades, destacamos ainda, o péssimo desempenho da educação e as deficiências no setor da saúde, isto sem falar nos desequilíbrios do Estado, o desperdício nos recursos públicos, a corrupção desenfreada, que deslegitimam e ameaçam a consolidação de uma verdadeira democracia representativa, que aparentemente mostra um país democrático mas na realidade esconde uma situação de desmanche da estrutura social.
A visibilidade internacional adquirida nos últimos anos deu ao Brasil a possibilidade de sediar dois grandes eventos internacionais, a Copa do Mundo da FIFA de 2014 e as Olimpíadas de 2016, dois grandes desafios para o país, o mundo estará de olho no Brasil, receberemos milhares de jornalistas e turistas estrangeiros, são duas oportunidades de mostrar para a sociedade internacional os avanços do país, mas para que tenhamos êxito nesta empreitada a transparência nos gastos e o profissionalismo no planejamento devem sobrepor o jeitinho brasileiro, mostrando a todos a maturidade conseguida nestes últimos anos, onde mostraremos ao mundo que o Brasil é, na atualidade, um excelente local para investimento e a construção de uma sociedade melhor e mais justa para todos e não para uma pequena parcela dos indivíduos.

Estamos muito longe dos países desenvolvidos, mas temos inúmeras vantagens, somos um povo ágil, flexível e empreendedor, apesar do atraso estamos crescendo e aparecendo para o mundo, enquanto muitos destes países se encontram estagnados e marcados pela saturação, somos dotados de um grande diferencial com relação aos concorrentes, somos dinâmicos e temos muitas oportunidades de negócio, desde que os investidores entendam que somos um país sério, honramos nossos compromissos internacionais e que não mais aceitamos ingerência em nosso futuro, somos sim um país com grande potencial para o futuro, mas não existe futuro sem educação de qualidade, geradora de inovação e de novas perspectivas sociais.